Coronavírus

Covid-19: Linha de produção de máscaras de proteção montada no Porto

Carlo Allegri

Empresas disponibilizou-se a parar a produção normal para produzir máscaras de proteção.

Especial Coronavírus

A Câmara do Porto e uma empresa local vão iniciar "imediatamente" a produção de máscaras de proteção pessoal, do tipo cirúrgico, admitindo que, além dos funcionários municipais, o material possa ser distribuído a bombeiros, empresas de transporte e à rede social.

Em comunicado na sua página oficial na Internet, o município explica que a ideia surgiu depois de um empresário de Campanhã, que contactou o gabinete do presidente da Câmara do Porto, disponibilizar-se para "ajudar a cidade".

Contactado pelo gabinete da presidência, acrescenta a autarquia, acabou a conversa por conduzir à ideia de produzir material de proteção.

"A Câmara do Porto e uma empresa local desenvolveram nos últimos dias um projeto para iniciarem imediatamente a produção de máscaras de proteção pessoal, do tipo cirúrgico, suficientes para os funcionários municipais que contactem com público e que poderão também vir a ser distribuídas pela autarquia à rede social, corporações de bombeiros voluntários e às empresas de transporte, como STCP", lê-se na nota publicada hoje.

Em 24 horas, adianta a câmara, o empresário conseguiu obter a matéria-prima adequada, disponibilizando-se a parar a sua produção destinada sobretudo à indústria hoteleira, reconvertendo a unidade produtiva, com cerca de 20 funcionários, numa linha de produção de máscaras.

Nesta altura não está ainda apurada a quantidade de máscaras que aquela unidade vai conseguir produzir, contudo, calcula-se que seja "o suficiente para alimentar as necessidades básicas dos operacionais do município e ainda ceder equipamentos a outras instituições, assegurando a Câmara do Porto os custos inerentes à operação".

Em estudo está também a possibilidade da produção na mesma unidade de equipamentos de proteção individual para os hospitais, caso estes venham a escassear e a entrar em rutura.

"Desta forma, a Câmara do Porto evita pagar preços especulativos (que já se praticam no mercado em materiais importados) e espera poder ajudar a proteger também os muitos voluntários que em instituições de solidariedade ou bombeiros voluntários estão nesta altura a ficar expostos à doença. É também uma forma de manter uma unidade fabril da área do Porto em funcionamento e a economia a funcionar, substituindo importação por produção nacional", salienta em comunicado.

Acresce que a proximidade da fábrica do empresário de Campanhã ao local onde os materiais serão consumidos encurta os tempos e custos de transporte, bem como permitirá entregas diárias que possam satisfazer as necessidades municipais, a custos mais reduzidos do que encontraria no "mercado inflacionado".

O número de infetados pelo novo coronavírus subiu para 448, mais 117 do que os contabilizados na segunda-feira, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).De acordo com o boletim sobre a situação epidemiológica em Portugal, divulgado hoje às 12:00, há 4.030 casos suspeitos (mais 1.122), dos quais 323 (eram 374) aguardam resultado laboratorial.Segundo a DGS, há três casos recuperados.

Veja também:

  • Portugal com 435 mortos e 233 recuperados de Covid-19

    Coronavírus

    Portugal regista hoje 435 mortos associados à Covid-19, mais 26 do que na quinta-feira. Espanha anunciou o número diário de mortes mais baixo desde 24 de março. Ministros das Finanças europeus chegaram a uma acordo inédito para fazer face à crise. Siga aqui as últimas notícias sobre a pandemia da Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias