Coronavírus

Covid-19: PSP suspende férias e pode chamar polícias pré-reformados

Medidas anuciadas pelo diretor da PSP.

Especial Coronavírus

Os polícias na situação de pré-aposentação podem ser chamados a prestar serviço em caso de necessidade, estando as férias dos agentes suspensas nesta fase de surto do novo coronavirus, determinou esta terça-feira o diretor da PSP.

No despacho, a que a agência Lusa teve acesso, o superintendente Magina da Silva deliberou que sejam suspensas, com efeito imediato, "as férias de todo o pessoal que ainda não as tenha iniciado, salvo as que forem casuística e excecionalmente autorizadas" pelo diretor de recursos humanos da PSP.

Nesta fase de estado de alerta, devido à pandemia do novo coronavírus, foi também decidido que "os polícias na situação de pré-aposentação sejam contactados pelas unidades de polícia/estabelecimentos de ensino de onde transitaram para essa situação, informando-os da possibilidade de serem mobilizados para a prestação de serviço efetivo, de forma a permitir libertar polícias para a atividade operacional", lê-se no despacho.

Na diretiva é, contudo, referido que, apesar das férias estarem suspensas, pode haver lugar a uma autorização excecional para os polícias que já tenham "efetuado comprovadamente despesas", devendo o assunto ser tratado com o superior hierárquico.

Na PSP a organização dos serviços de apoio à atividade operacional está dividida em dois grupos, incluindo a estrutura de comando/direção e os serviços, com prestação de serviço no local de trabalho em dias alternados, das 09:00 às 19:00.

No despacho, Magina da Silva determina também que todo o pessoal deve cumprir as 36 ou 35 horas semanais "através da prestação de serviço em reforço operacional ou em suporte à atividade operacional, em condições a definir pelos comandantes e diretores", mantendo-se inalterado o regime de turnos, exceto na Unidade Especial de Polícia, que adotará, para as suas subunidades operacionais, um regime próprio.

Veja mais: