Coronavírus

Universidade Coimbra tem programa de bem-estar fisico e mental em casa

Aly Song / Reuters

Porque ficar confinado em casa não impede que se faça exercício físico.

Especial Coronavírus

A Universidade de Coimbra anunciou hoje o UC+Ativa Em Casa, um conjunto de três programas de exercícios que visam promover o bem-estar físico e mental em casa durante a pandemia da covid-19.

"Pretendemos contribuir para a promoção de um estilo de vida ativo, sem sair de casa", justifica o vice-reitor para a qualidade e desporto, António Figueiredo.

A proposta, desenvolvida pelo gabinete do desporto da Universidade, é a resposta à "permanência dentro de casa, imposta pelo estado de emergência" e apresenta-se em três níveis de exigência, introdutório, intermédio e avançado, cada um com diferentes tipos de exercícios.

"As rotinas são as mesmas e, confinados ao mesmo espaço, para trabalho e lazer, cria-se uma fadiga e uma saturação que é preciso combater e minimizar", alerta o responsável.

Os três programas de atividade física caseira, que podem ser encontrados em www.uc.pt/gduc/ucativa, ajudam a "mitigar as dificuldades e, ao mesmo tempo, perspetivar o futuro".

O coordenador do gabinete de desporto da universidade, Mário Santos, antigo presidente da Federação Portuguesa de Canoagem, diz que esta solução foi adaptada do projeto UC+Ativa, já implementado junto da comunidade académica.

"Enquanto a UC+Ativa se destinava a quem estava no local de trabalho, a UC+Ativa Em Casa é um projeto que, com algumas adaptações e exercícios mais específicos, se adequa a todos os que queiram manter alguma atividade física, enquanto temos de nos manter em casa", completou o chefe de missão de Portugal aos Jogos Olímpicos Londres2012.

O mais recente balanço da pandemia

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente africano registou 64 mortes devido ao novo coronavírus, ultrapassando os 2.300 casos.

Dos países lusófonos, apenas São Tomé e Príncipe não tem, até ao momento, registo de contágio pelo novo coronavírus.

A Itália, que registou a primeira morte ligada ao coronavírus no final de fevereiro, tem 6.820 mortes em 69.176 casos. 8.326 pessoas são consideradas curadas pelas autoridades italianas.

Espanha superou esta quarta-feira a China em número de mortes por Covid-19. O total ascende agora a 3.434 vítimas mortais - 738 nas últimas 24 horas -, mais 153 que na China. É o segundo país com mais vítimas mortais, só atrás de Itália.

Os países mais afetados depois de Itália e Espanha são a China com 3.281 mortes para 81.218 casos, Irão com 2.077 mortes (27.017 casos), França com 1.100 mortes (22.302 casos) e Estados Unidos com 600 mortos (55.225 casos).

Desde as 19:00 de terça-feira, Camarões e Níger anunciaram as primeiras mortes relacionadas ao vírus. Líbia, Laos, Belize, Granada, Mali e Dominica anunciaram os primeiros casos.

A Europa totalizou até às 11:00 de hoje 226.340 casos (12.719 mortes), a Ásia 99.805 casos (3.593 mortes), Estados Unidos e Canadá 57.304 casos (624 mortes), Médio Oriente 32.118 casos (2.119 mortes), América Latina e Caraíbas 7.337 casos (118 mortes), Oceânia 2.656 casos (nove mortes) e África 2.382 casos (64 mortes).

Sobe para 43 o número de mortos por Covid-19 em Portugal, quase 3 mil casos

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de 43 mortes e 2.995 casos de Covid-19.

O número de óbitos subiu de 33 para 43 em relação ao último balanço da DGS, enquanto o número de infetados aumentou de 2.362 para 2.995, mais 633 relação a ontem, uma subida que representa um aumento de 26,7%.

Há, ao todo, 22 casos recuperados a registar,

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Veja também: