Coronavírus

OMS estuda ligação entre coronavírus e doença de Kawasaki em crianças

Daniele Mascolo

Saiba mais...

A Organização Mundial de Saúde (OMS) procura provas sobre a ligação entre a covid-19 e a doença de Kawasaki, uma síndrome inflamatória que afeta crianças, revelou hoje o presidente da entidade, Tedros Adhanom Gebreyesus.

"As hipóteses iniciais indicam que essa síndrome pode estar ligada à covid-19", afirmou o responsável em conferência de imprensa através da Internet, sublinhando que o estudo desta relação "é crítico e urgente".

Tedros Adhanom Gebreyesus apelou a "todos os médicos do mundo para que trabalhem com as suas autoridades nacionais e com a OMS para estarem alerta e melhor se compreender esta síndrome nas crianças".

Por seu turno, Maria Van Kerkhove, responsável técnica da covid-19 do Programa de Emergência em Saúde da OMS, informou que foram contactados médicos dos países membros da organização para saber qual o conhecimento que tinham sobre a manifestação da doença de Kawasaki em crianças.

"Precisamos de mais informação. Em algumas crianças [com a doença de Kawasaki] foi detetada a covid-19, noutras não. Por isso, não sabemos se estão associadas ou não", assinalou.

Maria Van Kerkhove acrescentou que a doença de Kawasaki é rara, mas que há cada vez mais registos porque "as pessoas estão agora alerta", frisando que "é necessário recolher mais informação para descobrir o que é e desenvolver melhor o tratamento".

Michael Ryan, diretor executivo da OMS, reforçou que "é necessário estudar" a nova doença e perceber "quantas crianças poderão ter esta condição", vincando o apelo à colaboração de todos os países neste trabalho.

Hoje, o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) anunciou que regista cerca de 230 casos de crianças com suspeitas da doença de Kawasaki associada à covid-19 na União Europeia (UE) e no Reino Unido.

"No total, cerca de 230 casos suspeitos desta nova síndrome inflamatória pediátrica (PIMS-TS) associada à covid-19 foram registados nos países da UE e da Área Económica Europeia (AEE), que inclui a Islândia, o Liechtenstein e a Noruega, e no Reino Unido em 2020".

A agência europeia de saúde pública informou ainda no seu boletim oficial que já houve duas mortes, uma em França e outra no Reino Unido.

Sabe-se também que morreu uma terceira criança nos Estados Unidos e que outras três morreram com sintomas semelhantes.em Nova Iorque.

Criança portuguesa com síndrome semelhante à doença de Kawasaki já recuperou

O único caso de síndrome inflamatória associado à covid-19 em Portugal foi uma criança que já recuperou, afirmou hoje a diretora-geral da Saúde.

Na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia da covid-19, Graça Freitas indicou que o único caso em Portugal de síndrome semelhante à doença de Kawasaki, caracterizada por uma inflamação dos vasos sanguíneos, num caso de covid-19 foi comunicada ao ECDC e já apareceu nas suas estatísticas internacionais.

Os sintomas são febre alta, dores abdominais e problemas digestivos, erupção cutânea, conjuntivite e língua avermelhada, que incha e que fica com o aspeto de framboesa.

Plataforma para partilha de conhecimentos relacionados com a covid-19

A OMS anunciou também hoje o lançamento dentro de 15 dias de uma plataforma para partilha voluntária de conhecimentos relacionados com a covid-19, numa iniciativa promovida pela Costa Rica.

O presidente costa-riquenho, Carlos Alvarado Quezada, que participou na conferência de imprensa regular da OMS, salientou que o objetivo é tornar todo o conhecimento atualmente existente sobre o novo coronavírus "à disposição de todos", através de um "repositório global de conhecimento", de forma a fortalecer a luta contra a covid-19.

Também o seu homólogo do Chile, Sebastián Piñera, interveio nos trabalhos, realçando a importância desta iniciativa, já que "nenhum país sozinho pode vencer este vírus".

Portugal regista mais 264 novos casos de Covid-19 e 6 mortes

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta sexta-feira a existência de 1.190 mortes e 28.583 casos de Covid-19 em Portugal.

O número de óbitos subiu, de ontem para hoje, de 1.184 para 1.190, mais 6 - uma subida de 0,5% -, enquanto o número de infetados aumentou de 28.319 para 28.583, mais 264, o que representa um aumento de 0,9%.

O número de casos recuperados subiu de 3.198 para 3.328, mais 13 do que no dia anterior.

Há 673 doentes internados, 112 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos.

Mais de 300 mil mortos e mais de 4,4 milhões de infetados em todo o mundo

A pandemia do novo coronavírus já matou pelo menos 302.489 pessoas e infetou mais de 4,4 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 11:00 hoje, baseado em dados oficiais.

De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa, já morreram pelo menos 302.489 pessoas e há mais de 4.454.090 infetados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

Os Estados Unidos, que registaram a primeira morte ligada à covid-19 no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de mortes e casos, com 85.906 óbitos em 1.417.889 casos. Pelo menos 246.414 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Reino Unido, com 33.998 óbitos em 236.711 casos, a Itália com 31.368 óbitos (223.096 casos), a Espanha com 27.459 óbitos (230.183 casos) e a França com 27.425 óbitos (178.870 casos).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou oficialmente um total de 82.933 casos (quatro novos entre quinta-feira e hoje), incluindo 4.633 mortes e 78.209 recuperações.

A Europa totalizou 163.128 mortes para 1.839.657 casos, Estados Unidos e Canadá 91.482 mortes (1.491.290 casos), América Latina e Caraíbas 25.662 mortes (451.556 casos), Ásia 11.581 mortes (331.194 casos), Médio Oriente 7.956 mortes (256.960 casos), África 2.554 mortes (75.078 casos) e Oceânia 126 mortes (8.363 casos).

Links úteis

Mapa com os casos a nível global