Coronavírus

Sindicato desafia Governo a visitar "o país real" onde há turmas com 30 alunos

JOSÉ COELHO

Na maior parte das escolas do país "o número de alunos continua essencialmente o mesmo" em relação ao ano letivo passado, de acordo com o dirigente sindical André Pestana.

Especial Coronavírus

O Sindicato de Todos os Professores (STOP) desafiou esta terça-feira o Governo a visitar "o país real", onde há turmas com 30 alunos, considerando que a tutela não está a fazer a sua parte para minimizar o risco de contágio.

"Fazemos um desafio ao primeiro-ministro e ao ministro da Educação de visitarem o país real", afirmou esta terça-feira o coordenador nacional do STOP, André Pestana, que falava numa conferência de imprensa em Coimbra, em frente à Escola Secundária Avelar Brotero, onde há turmas "com 31 alunos, 30 alunos, 29 alunos, 28 alunos".

De acordo com o dirigente sindical, na maior parte das escolas do país "o número de alunos continua essencialmente o mesmo" em relação ao ano letivo passado.

"[O primeiro-ministro] António Costa disse que não valeria muito a pena o esforço das escolas e dos diretores em tentar conter o contágio de covid-19, se as famílias também não fizessem esse esforço de contenção. Também não vale muito a pena o esforço que as escolas e as famílias estão a fazer se depois o Governo não está a fazer a sua parte", criticou.

O STOP, que avançou com pré-avisos de greve para os primeiros dias de aulas (de segunda-feira a quinta-feira), considerou que o Governo teria de avançar com um reforço substancial de pessoal docente e não docente nas escolas por forma a garantir mais condições de segurança, num contexto de pandemia.

"Nós defendemos o ensino presencial, mas ninguém quer um ensino presencial se não estão reunidas as mínimas condições de segurança", frisou André Pestana.

Segundo o dirigente sindical, o STOP ainda não tem dados sobre a adesão à greve, recordando também que a maior parte das escolas está a decidir começar as aulas no final da semana.

O início do ano letivo começou na segunda-feira e estende-se até quinta-feira, num contexto de pandemia da covid-19 que obrigou as escolas a implementar um conjunto de regras de segurança, definidas pelo Ministério da Educação e pela Direção-Geral da Saúde.

Veja também:

  • 17:19