Coronavírus

Covid-19. Investigadores portugueses dizem que resultados da Pfizer são promissores

Especialistas do Instituto de Medicina Molecular e da Fundação Champalimaud acreditam que a vacina vai estar disponível no 1º ou 2º trimeste do próximo ano.

Especial Coronavírus

Os dados preliminares apontam para uma eficácia de 90% na vacina que está a ser desenvolvida pela Pfizer contra a Covid-19, um número que em Portugal está a ser encarado como muito promissor.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, na habitual conferência de imprensa de atualização dos dados sobre o novo coronavírus, falou em "boas notícias" e explicou ainda que, se eficácia se confirmar, vacina da Pfizer "será das melhores" a ser usada no país.

Também o investigador da Fundação Champalimaud, Henrique Veiga-Fernandes, diz que os números são excepcionais e que este é "um excelente dia para a ciência". Mas Miguel Prudêncio, do Instituto de Medicina Molecular, lembra que os resultados não são definitivos, quer no que toca à eficácia, como à segurança. Explica que existe ainda a possibilidade de serem detetados efeitos secundários nas próximas semanas.

A Pfizer quer colocar a vacina no mercado este ano mas antes disso precisa da aprovação do regulador. O investigador Miguel Castanho, também do Instituto de Medicina Molecular, lembra que o processo não será fácil e que a distribuição por todo o mundo depende dos acordos políticos que têm sido estabelecidos com as farmacêuticas.

Todos os especialistas concordam que a vacina só deverá chegar a grande parte da população a partir de abril.

  • 1:41