Coronavírus

Portugal com mais 63 mortes e 4.096 novos casos de Covid-19

Lisboa

Armando Franca

Um novo máximo diário do número de óbitos.

Especial Coronavírus

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou no boletim diário desta segunda-feira que há mais 63 mortes e 4096 novos casos de covid-19 em Portugal. No total, o país regista 2959 vítimas mortais e 183.420 infetados pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia.

Nas últimas 24 horas estão mais 13 doentes internados nas Unidades de Cuidados Intensivos, totalizando 391.

Em relação aos internamentos em enfermaria estão 2651 pessoas internadas, mais 129 do que no domingo .

A DGS revela que estão ativos 78.378 casos de infeção, mais 1731 do que no domingo. Também nas últimas 24 horas foram dados como recuperadas 2302 pessoas, num total de 102.083 desde o início da pandemia.

As autoridades de saúde têm agora sob vigilância 90.088 pessoas, menos 418 que nas últimas 24 horas.

No que diz respeito aos 4096 novos casos, 2265 registam-se na região Norte, 1217 em Lisboa e Vale do Tejo, 379 na região Centro, 148 no Alentejo, 60 no Algarve, 16 nos Açores e 11 na Madeira.

Das 63 mortes a lamentar nas últimas 24 horas (o número mais alto desde o início da pandemia), 33 - mais de metade - ocorreram na região Norte, 22 em Lisboa e Vale do Tejo, 5 na região Centro, uma no Alentejo, uma no Algarve e uma na Madeira.

Portugal em estado de emergência

Portugal entrou esta segunda-feira em estado de emergência, desde as 00h00 até 23 de novembro, para combater a pandemia, impondo entre outras medidas o recolher obrigatório noturno em 121 concelhos com mais casos de infeção.

Esta medida de proibição de circulação na via pública entre as 23h00 e as 5h00 em dias de semana e, nos próximos dois fins de semana, a partir das 13h00 é aplicada nos 121 concelhos considerados de risco elevado de transmissão de Covid-19.

Entre estes municípios, que abrangem 70% da população residente, incluem-se todos os concelhos das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto.

A medida foi aprovada em Conselho de Ministros extraordinário realizado no sábado à noite e prevê exceções como deslocações para o trabalho, regresso ao domicílio, situações de emergência, passeio higiénico na proximidade da habitação ou passeio de animais, entre outras.

Consulte aqui todas as novas medidas.

Proprietários de restaurantes em protesto no Porto

Os proprietários de restaurantes estão esta segunda-feira em protesto no Porto, numa marcha lenta de carro e a pé, contra o recolher obrigatório imposto pelo Governo a partir desta segunda-feira e por 15 dias, sobretudo ao fim de semana a partir das 13h00.

A repórter da SIC Maria José Mendes falou com o proprietário de dois restaurantes, um em Matosinhos e outro em Gondomar, que considera a medida “um absurdo” até porque é ao fim de semana que o setor da restauração mais trabalha. Para este empresário, o fim de semana representa 70% da faturação.

“O Governo corta-nos as pernas de um momento para o outro. Quinze dias a minha empresa ainda aguenta, mas se isto continua vai ficar complicado”, conta, explicando que não sabe como vai pagar o salário dos mais de 30 funcionários dos seus restaurantes.

É esperado que o protesto, que já esteve junto à Câmara Municipal do Porto, avance para o Túnel de Ceuta e de seguida para a VCI.

Veja também:

  • 3:09