Coronavírus

Protesto da restauração, discotecas e eventos marcado por confrontos 

Manuel Mealha

Manuel Mealha

Repórter de Imagem

Lúcia Amorim

Lúcia Amorim

Editora de Imagem

Apesar dos desacatos, não houve detenções, nem feridos e a PSP garante que apenas tentou controlar a multidão. 

Especial Coronavírus

O protesto dos setores da restauração, discotecas e eventos reuniu centenas de pessoas na Avenida dos Aliados, no Porto, contra o recolher obrigatório que os obriga a encerrar os estabelecimentos neste fim de semana.

A manifestação estava a ser pacifica até ao momento em que alguns manifestantes subiram ao patamar onde estavam, simbolicamente, três caixões, um deles a arder. Em poucos segundos, instalou-se a confusão.

A PSP teve de dispersar a multidão, que não estava a respeitar as regras de distanciamento impostas devido à pandemia de covid-19 e, porque alegam os agentes, havia confrontos entre dois manifestantes. Um dos representantes do movimento "A Pão e Água" nega esses desacatos.

Aquilo que parecia uma detenção voltou a agitar os ânimos. Foram atiradas garrafas e outros objetos em diferentes direções.

Os confrontos duraram cerca de 10 minutos. A PSP não revela quantos efetivos estavam no local, mas assegura que estavam elementos de patrulha, vigilância e de ação rápida.

Para este sábado está agendada mais uma manifestação do movimento "A Pão e Água" no Rossio, em Lisboa.

  • Um Presidente sem tempo a perder

    Opinião

    Donald Trump foi o pior Presidente dos EUA em 90 anos. Joe Biden tem o maior desafio do último século americano - mas está, nestes primeiros dias, a mostrar que pode estar à altura do que a maioria clara lhe pede.

    Germano Almeida