Coronavírus

Covid-19. Impacto das restrições “não aparenta ser muito significativo”

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Saúde Pública, em entrevista à SIC Notícias.

Especial Coronavírus

O Governo prepara-se para anunciar, este sábado, novas medidas do estado de emergência para travar a propagação da covid-19. Para Ricardo Mexia, é difícil avaliar o que vai acontecer sem perceber o impacto do que aconteceu até ao momento.

Considera que o impacto destes 15 dias de estado de emergência já se deveria começar a notar, mas, para já, não aparenta ter sido muito significativo. Alerta que pode ser necessário “repensar a estratégia”, até porque diz que os números atuais são incomportáveis de serem mantidos semanas a fio, sobretudo no que fiz respeito à letalidade e internamentos.

Questionado sobre a utilidade dos testes rápidos, o presidente da Associação Nacional de Saúde Pública explica que cada teste tem as suas características e deve ser adotado em contextos diferentes, sublinhando que os testes rápidos podem ter um papel importante a complementar o combate à pandemia, mas não substituem os restantes.

Sobre a vacina, Ricardo Mexia espera que as autoridades de saúdem possam ser claras sobre a forma como será feita a produção, o armazenamento, a distribuição e a administração, assim como a divulgação de quem serão os grupos prioritários. Diz ainda que é importante ir desenvolvendo esse plano “o quanto antes”, de forma a antecipar problemas.

Veja também: