Coronavírus

Covid-19. Residentes e funcionários de lares são os primeiros a receber a vacina em Espanha 

DR

Primeiras doses devem chegar ao país em janeiro.

Especial Coronavírus

As primeiras pessoas a receber a vacina contra a covid-19 em Espanha vão ser os residentes em lares de idosos e os trabalhadores dessas instituições.

O anúncio foi feito esta terça-feira pelo ministro da Saúde espanhol, que adiantou que a seguir serão os profissionais da área da saúde a receber a vacina.

O plano nacional da vacinação em Espanha começa em janeiro de 2021, altura em que está prevista a chegada das primeiras doses da vacina.

O Governo espanhol prevê que 2,5 milhões de pessoas sejam vacinadas entre janeiro e março de 2021.

Governo espanhol descarta obrigatoriedade da vacina contra a covid-19

O Governo espanhol descarta a obrigatoriedade da vacina contra a covid-19. De acordo com a lei espanhola, toda a vacinação é voluntária no país, com algumas exceções, como a de uma pandemia.

O presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou no domingo que a população deverá começar a ser vacinada em janeiro e espera vacinar grande parte da população em apenas seis meses.

De acordo com as explicações do líder do Governo, que falou à comunicação social após a reunião virtual do G20, o plano de vacinação espanhol assenta em cinco eixos de atuação, dos quais sobressaem a definição de 13.000 pontos de vacinação e uma estratégia nacional única, desenvolvida por um grupo multidisciplinar de peritos.

"Todos os anos, 10 milhões de pessoas são vacinadas em Espanha contra a gripe. Por conseguinte, considera-se que o Sistema Nacional de Saúde está preparado para atingir este objetivo. Um exemplo: este ano, em oito semanas, 14 milhões de pessoas foram vacinadas", referiu Sánchez, assegurando que os grupos considerados prioritários vão ter acesso à vacina.

Países europeus preparam planos de vacinação contra a covid-19

  • Um Presidente sem tempo a perder

    Opinião

    Donald Trump foi o pior Presidente dos EUA em 90 anos. Joe Biden tem o maior desafio do último século americano - mas está, nestes primeiros dias, a mostrar que pode estar à altura do que a maioria clara lhe pede.

    Germano Almeida