Coronavírus

Estão definidos os grupos para a vacinação contra a Covid-19

Saiba quem vai ser vacinado primeiro.

Saiba mais...

Estão concluídos os critérios da vacinação contra a Covid-19. O primeiro grupo que vai usufruir da vacina serão as pessoas entre os 50 e os 75 anos com doença muito grave.

A comissão técnica da vacinação concluiu o documento que identifica os grupos prioritários para a vacina. O documento já foi entregue ao Ministério da Saúde e e ao grupo de trabalho que vai planear a campanha de vacinação.

Quem faz parte do primeiro grupo

Todas as pessoas que têm entre 50 e 75 anos e que têm doença grave serão os primeiros a ser vacinados contra a Covid-19. Estão inseridos no primeiro grupo de vacinação, que inclui também os utentes e funcionários dos lares de terceira idade.

Para já, a comissão não incluiu nos grupos prioritários as pessoas com mais de 75 anos, porque nem as farmacêuticas produtoras das vacinas nem a Agência Europeia do Medicamento apresentaram ainda evidencia científica da eficácia das vacinas neste grupo.

Ao que a SIC apurou, nesse primeiro grupo de vacinação estão também os profissionais de saúde da chamada primeira linha, ou seja, que trabalham em unidades de cuidados intensivos e enfermarias onde estão internados doentes infetados.

Segundo grupo

A segunda tranche de vacinas será para as pessoas entre 50 e 75 anos com doenças de risco, mas de menor gravidade. Os restantes profissionais de saúde deverão entrar neste grupo, que também inclui outras pessoas institucionalizadas.

A divisão em grupos prende-se com questões de logística, mas principalmente porque os países vão receber as vacinas por tranches. E tal como acontece com os outros programas de vacinação, o trabalho da comissão nacional técnica pode ir sendo atualizado à medida que houver mais informação sobre a eficácia e a segurança de cada uma das vacinas.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia