Coronavírus

Renovação do estado de emergência. "A ideia base é um Natal com menos restrições"

Bernardo Ferrão analisa a declaração do estado de emergência feita pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e as medidas em cima da mesa para o período de Natal e Ano Novo.

Saiba mais...

O Parlamento aprovou esta sexta-feira o prolongamento do estado de emergência em Portugal. E ao início da noite, o Presidente da República fez uma declaração ao país onde decretou a sua renovação.

"O Presidente da República lança aqui algumas pistas, mas quem decide é António Costa", começa por dizer Bernardo Ferrão em análise no Jornal da Noite da SIC.

Bernardo Ferrão explica que nas primeiras conversações que houve, o primeiro-ministro "teria a ideia inicial de que poderia haver quatro dias de alguma folga" ou seja de circulação mais livre entre concelhos entre os dias 23 e 26 de dezembro, no entanto e depois da reunião de quinta-feira no Infarmed, António Costa "pode ter percebido que essa era uma ideia um pouco arriscada".

"O período pode ter encurtado e amanhã [sábado] pode ser anunciado que esse alívio para as medidas para o Natal será só entre 24 e 25 (...) mas com limitação do número de pessoas nas casas dos portugueses."

A ideia do Governo é "um Natal com menos restrições" para que se "possa respeitar o espírito do Natal", como disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Outra das hipóteses em cima da mesa é um "recolher obrigatório mais alargado, ou seja até mais tarde", diz Bernardo Ferrão, "para que as pessoas possam ir à Missa do Galo".

António Costa anuncia este sábado, às 15:00, as medidas em vigor até dia 7 janeiro, período que inclui o Natal e o Ano Novo.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino