Coronavírus

Covid-19. Testes rápidos vão ser implementados na Assembleia da República

MANUEL DE ALMEIDA

Deputados, funcionários, pessoal dos grupos parlamentares e forças de autoridade vão passar a ser testados.

O Parlamento inicia na quinta-feira a realização de testes rápidos ao coronavírus (testes de deteção de antigénio) como medida complementar de prevenção destinada a diminuir o risco de casos positivos no hemiciclo

Uma nota daquele órgão de soberania refere que os testes de deteção de antigénio implicam a colheita de amostras do trato respiratório efetuadas por profissionais habilitados para a colheita da amostra, realização do teste e interpretação dos resultados.

A realização de testes de deteção de antigénio é efetuada a deputados, funcionários parlamentares, pessoal dos grupos parlamentares, serviço de segurança e trabalhadores de entidades externas que prestam serviço na Assembleia da República (AR).

"O resultado do teste será obtido cerca de 15 minutos após a colheita e ser-lhe-á comunicado pessoalmente, após a realização do teste se nisso tiver interesse. Para além disso, ser-lhe-á comunicado através de email", indica uma nota do gabinete do Secretário-Geral da Assembleia da República (AR).

Assim, os visados devem comparecer no Centro de Acolhimento ao Cidadão (CAC) entre as 09:30 e as 10:00, apelando a AR ao respeito pelo horário atribuído, pois "é muito importante para que possam ser respeitadas todas as normas de ocupação do espaço".

Esta iniciativa dá seguimento a um despacho interno sobre teste de deteção de antigénio para fazer face "ao contexto excecional da atual pandemia da covid-19, seguindo as orientações da Direção-Geral da Saúde sobre as melhores medidas a adotar para "salvaguardar a saúde de todos e a diminuir o risco de ocorrência de casos positivos no seu universo".

A conferência de líderes parlamentares aprovou, por consenso, em 11 de novembro, a realização destes testes rápidos, tendo sido estabelecidos "grupos e subgrupos de contacto próximo dentro da AR com vista a determinar uma sentinela por subgrupo para ser testado".

O despacho indica que os testes serão realizados como forma de rastreio visando a identificação da infeção em pessoas assintomáticas e sem contacto com caso confirmado de covid-19 e, sempre que justificado, como forma de diagnóstico com o objetivo de identificação da infeção em pessoas com contacto com caso confirmado de covid-19.

"Pretende-se com esta medida, em complemento das medidas preventivas em vigor, prevenir possíveis surtos e conter a transmissão do vírus na AR", fundamenta a decisão.

O assunto foi submetido à apreciação do Conselho de Administração da Assembleia da República, que emitiu o respetivo parecer favorável unânime, tendo sido ainda obtida autorização do Presidente da Assembleia da República,

Conforme o acordado, no decurso dos testes rápidos e a cada semana serão "selecionadas diferentes sentinelas", sendo estas indicadas consoante os grupos ou subgrupos pré-definidos, conforme tabela definida internamente.

"Cada sentinela é convocada, por e-mail, para realização de teste em período horário previamente determinado", lê-se no despacho.

Caso o teste seja positivo, a pessoa testada deve aguardar a chegada do profissional de saúde do Gabinete Médico e de Enfermagem para avaliação e acompanhamento da situação.

"Na sequência de teste positivo, cabe ao Gabinete Médico e de Enfermagem o acompanhamento da situação e a determinação dos elementos do mesmo grupo/subgrupo que devem ser sujeitos a testes, sendo o resultado positivo comunicado às autoridades de saúde públicas para os devidos efeitos", esclarece ainda o despacho.

Os testes realizam-se semanalmente, nas instalações do CAC/Centro de Atendimento ao Cidadão, lembra ainda a nota do Secretário-Geral da AR, Albino de Azevedo Soares.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão