Coronavírus

Portugal registou quatro picos de mortalidade desde a chegada da pandemia

Armando Franca

Análise do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

Saiba mais...

O Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) registou quatro picos de mortalidade em Portugal desde a chegada da pandemia de covid-19 a Portugal, segundo a análise apresentada esta sexta-feira pela epidemiologista Ana Paula Rodrigues.

Na intervenção intitulada "Resposta à epidemia de SARS-CoV-2: da monitorização da serologia à monitorização da mortalidade", a médica de saúde pública explicou que, de acordo com os dados disponíveis até 7 de dezembro no indicador de mortalidade por todas as causas, os quatro períodos - no qual o último ainda está a decorrer - foram responsáveis por 5.763 mortes em excesso face ao que estava estimado.

Primeiro pico

O primeiro período durou três semanas e ocorreu entre 22 março e 12 de abril, em plena primeira vaga da pandemia no país, em que se registou um excesso de mortalidade de 1.057 óbitos, "16% acima do esperado", referiu Ana Paula Rodrigues.

Segundo pico

O segundo pico de mortalidade foi o mais curto e durou apenas uma semana, entre os dias 25 e 31 de maio, do qual resultaram 363 mortes, 19% a mais face às estimativas para essas datas.

Terceiro pico

Já o terceiro período foi aquele que superou em maior dimensão as previsões de mortalidade, ao representar 2.199 mortes e 30% de excesso relativamente às expectativas, tendo sido observado entre 06 de julho e 02 de agosto.

Derradeiro pico ainda está a acontecer

Finalmente, a investigadora referiu que o derradeiro pico de mortalidade "é coincidente com a intensidade da onda pandémica e ainda está a decorrer". Segundo a análise do INSA, este período é já o mais longo dos picos de mortalidade, com uma duração de seis semanas, e começou a partir de 26 de outubro, registando até 06 de dezembro um excesso de 16% e 2.144 mortes em relação às previsões.

Ana Paula Rodrigues abordou ainda na sua apresentação o inquérito serológico nacional, revelando que o INSA planeia "realizar durante quatro a seis semanas o segundo momento de trabalho de campo deste estudo", apontando para "final de janeiro e início de fevereiro".

  • Investir agora na infância para poupar no futuro

    Desafios da Mente

    Assegurar o desenvolvimento saudável de todas as crianças é essencial para as sociedades que procuram alcançar o seu pleno potencial sanitário, social e económico. A prevenção da adversidade precoce deve ser uma preocupação diária e não apenas assunto no mês de abril, mês Internacional da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância. Os Governos, as famílias, as comunidades e as organizações devem ser envolvidas a fim de alcançar estes objetivos.