Coronavírus

Pfizer, Moderna e AstraZeneca. Perceba como funcionam as vacinas contra a covid-19

Conheça as diferenças entre os dois tipos de vacinas que já foram aprovadas.

Saiba mais...

Nos últimos tempos, a vacina contra a covid-19 é um dos principais temas. Entre as três farmacêuticas que já aprovaram a vacina, há duas famílias de fármacos que atuam de forma diferente, mas que têm o mesmo objetivo: criar imunidade na população. Perceba o que varia entre as vacinas de RNA mensageiro (como a da Pfizer, que está a já a ser distribuída em Portugal, e a da Moderna) e as vacinas que utilizam um adenovírus alterado (como a da AstraZeneca).

Como funciona a vacina por RNA mensageiro?

As vacinas por RNA mensageiro são uma novidade e já há duas farmacêuticas aprovadas no mundo: a Pfizer e a Moderna. Estes fármacos fornecem ao organismo uma espécie de código genético para que as células possam produzir proteínas virais e levar o corpo a responder com vírus de anticorpos. Desta forma, o indivíduo vacinado está a desenvolver imunidade contra o verdadeiro vírus.

Henrique Veiga Fernandes, imunologista e codiretor do Centro Champalimaud, identifica “grandes vantagens” nesta nova tecnologia. “Somos capazes de produzir essa informação genética do vírus muito rapidamente e em grande escala em laboratório”, explica o investigador.

Esta tecnologia estava explorada no contexto da doença oncológica mas foi alterada para poder ajudar a combater a propagação da covid-19.

O que é um adenovírus e como provoca imunidade?

É uma técnica mais tradicional. Um vírus atenuado que “causa constipações em chimpanzés foi modificado geneticamente para induzir produção da proteína da espicula do SARS-CoV-2”, explica Veiga Fernandes.

A vacina da AstraZenaca/Oxford, que foi esta quarta-feira aprovada pelos reguladores britânicos, segue esta tecnologia que foi também utilizada em outras vacinas que já fazem parte do Plano Nacional de Vacinas há vários anos, com eficácia e segurança comprovada.

  • Quem és tu, César?

    Extremos

    Quando a investigação da SIC percebeu que a vida publicada de César do Paço poderia ser fruto da imaginação do protagonista, fizemos alguns esforços para conhecer a verdadeira face do empresário. O essencial dessas descobertas será revelado na Grande Reportagem "Cifrões e outros demónios, 2ª edição", último episódio da série "A Grande Ilusão", mas o detalhe dos dois doutoramentos revelamo-lo já aqui.

    Pedro Coelho

  • 0:23