Coronavírus

Portugal com mais 61 mortes e 549 casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Armando Franca

O número mais baixo de novos contágios diários desde 6 de outubro.

Saiba mais...

Portugal contabiliza esta segunda-feira mais 61 mortes e 549 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Este é o número mais baixo de novos contágios desde 6 de outubro, dia em que foram registados 427 casos

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 16.023 mortes e 798.074 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando esta segunda-feira ativos 80.642 casos, menos 1.699 em relação a domingo.

Os novos casos de infeção nas últimas 24 horas representam metade dos novos casos reportados no domingo. Por norma, as segundas-feiras registam valores mais baixos.

Já no que respeita ao número de mortos, desde 10 de novembro, dia em que morreram 62 pessoas com covid-19, que Portugal não registava valores tão baixos.

Quanto aos internamentos o valor de hoje está próximo dos registados no dia 7 de janeiro, quando os dados indicavam 3.333 pessoas internadas com covid-19.

Os dados divulgados hoje indicam ainda que 2.187 pessoas foram dadas como recuperadas, fazendo subir para 701.409 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

Há 22 dias consecutivos que o número de recuperados supera o de novas infeções.

As autoridades de saúde têm em vigilância 79.699 contactos, menos 6.702 relativamente ao dia anterior, mantendo-se a tendência decrescente desde o dia 30 de janeiro.

Os dados desta segunda-feira revelam ainda que mais 2.187 pessoas foram dadas como recuperadas, fazendo subir para 701.409 o número de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

Dados por região

Relativamente às 61 mortes registadas nas últimas 24 horas, 33 ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo, 15 na região Centro, 8 na região Norte, duas no Alentejo, duas na região do Algarve e uma na Madeira.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificadas 278 novas infeções, contabilizando-se até agora 301.520 casos e 6.663 mortes.

A região Norte registou 107 novas infeções por SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas e desde o início da pandemia já contabilizou 324.719 casos de infeção e 5.159 mortes.

Na região Centro, registaram-se mais 48 casos, acumulando-se 114.099 infeções e 2.859 mortos.

No Alentejo foram assinalados mais 33 casos, totalizando 28.174 infeções e 924 mortos desde o início da pandemia em Portugal.

A região do Algarve tem hoje notificados 22 novos casos, somando 19.832 infeções e 330 mortos.

A Madeira registou 56 novos casos. Esta região autónoma contabiliza 6.008 infeções e 60 mortes devido à covid-19.

Nos Açores foram registados 5 novos casos nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, a região autónoma soma 3.722 infeções e 28 mortos.

Dados por género e faixa etária

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

O novo coronavírus já infetou em Portugal, pelo menos, 360.800 homens e 437.003 mulheres, referem os dados da DGS, segundo os quais há 271 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 8.370 eram homens e 7.653 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

Do total de 16.023 mortes, 10.644 eram pessoas com mais de 80 anos, 3.351 com idades entre os 70 e os 79 anos e 1.407 tinham entre os 60 e os 69 anos.

Governo e Presidente da República reúnem com especialistas para avaliar evolução da pandemia

O Governo e o Presidente da República reúnem esta segunda-feira com os especialistas para avaliar a evolução da pademia de covid-19 em Portugal. Esta é já a 16.ª reunião entre políticos e especialistas. Acontece antes de uma eventual renovação do estado de emergência. A reunião decorre durante a tarde, por videoconferência.

Segundo as agendas do primeiro-ministro, António Costa, e do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, divulgadas este domingo, esta reunião sobre a "situação epidemiológica da covid-19 em Portugal" decorrere a partir das 14:30, por videoconferência.

DEBATE E VOTAÇÃO DA RENOVAÇÃO DO ESTADO DE EMERGÊNCIA QUINTA-FEIRA À TARDE

O debate e votação da renovação do estado de emergência na Assembleia da República está marcado para quinta-feira à tarde e antes do envio do diploma o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, irá ouvir uma vez mais os nove partidos políticos com assento parlamentar, o que deverá acontecer entre terça e quarta-feira.

Nas reuniões do Infarmed participam também dirigentes das centrais sindicais e confederações patronais e os membros do Conselho de Estado.

Nas últimas sessões, as intervenções iniciais dos especialistas têm sido transmitidas na Internet através das redes sociais do Governo, o que está previsto que aconteça novamente na segunda-feira.

O atual período de estado de emergência termina às 23:59 de 1 de março. A próxima renovação terá efeitos entre 2 e 16 de março.

De acordo com a Constituição, este quadro legal que permite a suspensão do exercício de alguns direitos, liberdades e garantias não pode durar mais de quinze dias, sem prejuízo de eventuais renovações com o mesmo limite temporal.

Identificados em Portugal 7 casos associados à variante do Brasil

Sete casos de covid-19 associados à variante do Brasil foram identificados em Portugal pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge e já reportados às autoridades de saúde, anunciou este domingo o INSA.

Segundo o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), estes primeiros casos identificados em Portugal, através da sequenciação genómica, já tinham sido sinalizados como suspeitos pelos laboratórios UniLabs e Synlab, no âmbito da colaboriação que estes mantêm com o instituto.

"Os casos foram já reportados pelo INSA às Autoridades de Saúde, que já efetuaram as devidas diligências para o rápido rastreio de contactos e adoção de todas as medidas de saúde pública consideradas necessárias para a interrupção de potenciais cadeias de transmissão", adianta o INSA em comunicado.

Os casos foram identificados através do Núcleo de Bioinformática do Departamento de Doenças Infeciosas do INSA, no âmbito da vigilância de base genética que desenvolve para monitorizar a circulação de variantes genéticas do SARS-CoV-2 de importância epidemiológica e clínica.

"A variante 501Y.V3 (P.1), primeiramente detetada no Brasil, em particular na região de Manaus (Amazónia), tem sido assinalada pelas autoridades de saúde mundiais como merecedora de especial vigilância dado o seu elevado potencial de transmissão, mas também devido ao facto de poder ser menos reconhecida por alguns dos anticorpos gerados no decurso de uma infeção, suscitando naturalmente uma atenção acrescida", sublinha o instituto.

Veja também:

LINKS ÚTEIS

MAPA COM OS CASOS A NÍVEL GLOBAL