Coronavírus

Desconfinamento. Conselho de Ministros de quinta-feira pode alterar regras 

A possibilidade foi transmitida pela ministra da Saúde, Marta Temido.  

Saiba mais...

Com base nos dados apresentados esta terça-feira na reunião de especialistas no Infarmed, a ministra da Saúde não descarta a possibilidade de o Conselho de Ministros vir a alterar alguns dos termos da próxima fase do plano de desconfinamento do Governo.

"Vai seguir-se um conjunto de contactos e trabalhos no sentido de tomar as melhores decisões. A estratégia de desconfinamento foi aprovada no Conselho de Ministros e é gradual, deliberadamente progressiva e de ritmo lento, no sentido de ir adequando as medidas proporcionalmente àquilo que são as situações epidemiológicas", explicou Marta Temido.

Em declarações após a reunião no Infarmed, Marta Temido deixou claro que o Governo "vai apreciar todos os números" da evolução da infeção em Portugal.

"Estes dias que estamos a viver são decisivos para que se consolidem tendências num sentido ou noutro e para que possamos tomar decisões na quinta-feira para o período que vem a seguir ao dia 19, para o qual estava previsto um conjunto de decisões, mas a nossa estratégia gradual poderá ter paragens ou avanços", observou.

Questionada sobre a inversão da tendência de descida da pandemia de covid-19 durante as últimas semanas e a previsão de se poder atingir o limiar de 120 casos por 100 mil habitantes - definido na matriz de desconfinamento concebida pelo executivo -, a governante admitiu que a situação da pandemia já foi "mais favorável", mas lembrou que o nível de confinamento da população é agora distinto e que existem "critérios exigentes de monitorização".

"Os limiares de 120 ou 240 casos por 100 mil habitantes, estando muito distantes daquilo que tivemos no início deste ano, são os valores de referência para o país. Não queremos perder mais vidas inutilmente, não queremos causar doença cujas consequências de longo prazo sejam ainda desconhecidas", referiu.

3.ª FASE DO DESCONFINAMENTO: O QUE ESTÁ PREVISTO REABRIR A 19 DE ABRIL

  • Ensino secundário e superior;
  • Cinemas, teatros, auditórios e salas de espetáculos;
  • Lojas de cidadão com atendimento presencial por marcação;
  • Todas as lojas e centros comerciais;
  • Restaurantes, cafés e pastelarias (máximo de 4 pessoas ou 6 em esplanadas) até às 22:00 ou 13:00 aos fins de semana e feriados;
  • Modalidades desportivas de médio risco;
  • Atividade física ao ar livre até seis pessoas;
  • Eventos exteriores com diminuição de lotação;
  • Casamentos e batizados com 25% de lotação.

A 11 de março, na apresentação do plano de desconfinamento, o primeiro-ministro afirmou que as medidas da reabertura serão revistas sempre que Portugal ultrapassar os "120 novos casos por dia por 100 mil habitantes a 14 dias" ou sempre que o Rt - o número médio de casos secundários que resultam de um caso infetado pelo vírus - ultrapasse 1 -, o que se verifica neste momento: o Rt situa-se atualmente em 1,04 a nível nacional e 1,03 no território continental.

No que respeita à incidência de novos casos de infeção, os dados mais recentes apontam para 70,0 casos por 100.000 habitantes e 67,4 casos por 100.000 habitantes, se for considerado apenas o continente.

A incidência refere-se ao número de novos casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Portugal com mais 5 mortes e 408 novos casos de covid-19 em 24 horas

Portugal contabiliza esta terça-feira mais 5 mortes e 408 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 16.923 mortes e 828.173 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando esta terça-feira ativos 25.441 casos, menos 343 em relação a ontem.

O boletim da DGS revela que estão internados 459 doentes, menos 20 do que na segunda-feira .

Nos cuidados intensivos estão 118 doentes, menos 1 que ontem.

Os dados indicam ainda que mais 746 doentes foram dados como recuperados, fazendo subir para 785.809 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 18.013 contactos, menos 217 relativamente ao dia anterior.