Coronavírus

Governo pode adotar novo indicador taxa de incidência vizinha

NUNO VEIGA / LUSA

O ajuste da incidência permite travar a sobrevalorização de surtos.

Saiba mais...

O Governo pode adotar um novo indicador de incidência de risco e ajustar as taxas de incidência dos concelhos no vermelho.

Para não dar um passo atrás no desconfinamento que devia entrar na terceira fase já na próxima semana, o Governo pode adoptar a taxa de incidência vizinha, apresentada na reuinião do Infarmed pelo matemático Óscar Felgueiras na terça-feira.

A ideia é balizar o nível de risco consoante a região envolvente e travar a sobrevalorização de surtos. Este esquema permite, segundo o jornal Público de hoje, passar de 27 casos vermelhos, para apenas 18.

Os últimos dados da DGS apontam para 12 concelhos a vermelho e 15 a laranja com uma incidência acima dos 120 novos casos por 100.000 habitantes.

Com a incidência ajustada, passa a 3 concelhos a vermelho e 15 a laranja, com os municípios com incidência abaixo do limite a ganhar terreno em todo o país.

Isto permitiria retirar grande parte dos municípios do Norte, Centro e região de Lisboa e Vale do Tejo do limiar de risco de incidência para a covid-19.

"Não creio que estejam reunidas as condições ideais" para iniciar 3.ª fase do desconfinamento

O matemático e professor da faculdade de ciências do Porto Óscar Felgueiras considera prematuro cumprir a terceira fase do desconfinamento a partir de segunda-feira, nos termos em que estava previsto.

O especialista lembra que a incidência de covid-19 está a aumentar há duas semanas pelo que se exige prudência e cautela, "pequenos passos mas seguros para não retroceder", conclui.

Quase 3 milhões de mortos por covid-19 em todo o mundo

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.937.355 mortos no mundo, resultantes de mais de 135,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.918 pessoas dos 827.765 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global