Coronavírus

Nenhuma variante quebrou, até agora, efeito protetor das vacinas, diz virologista Pedro Simas

Handout .

"É muito raro uma pessoa estar vacinada, ter imunidade e contrair a infeção, seja de que variante for, e morrer".

O virologista Pedro Simas afirmou esta segunda-feira que, até agora, não houve uma variante do coronavírus SARS-CoV-2 que "quebrasse o efeito protetor" das vacinas contra a covid-19, sublinhando que são todas eficientes a prevenir a doença grave e a morte.

"Não quer dizer que não apareçam casos muito raros, mas nós não nos podemos concentrar no raro e temos que agora olhar para o bem comum, que é desconfinar", defendeu Pedro Simas.

O especialista falava à agência Lusa a propósito da variante Delta, associada à Índia, do aumento de casos na região de Lisboa e Vale do Tejo e dos internamentos, com alguns casos de pessoas que já teriam a primeira dose da vacina.

O virologista do Instituto Molecular da Universidade de Lisboa afirmou que "é muito raro uma pessoa estar vacinada, ter imunidade e contrair a infeção, seja de que variante for, e morrer", explicando que tem de ter outras condições de saúde, como uma doença crónica gravíssima.

"Neste momento não é problemático que o vírus circule"

Quanto ao aumento do número de casos, Pedro Simas a afirmou que "há um ligeiro aumento", que é normal devido ao desconfinamento, mas que são números "muito pequenos".

"Neste momento não é problemático que o vírus circule porque os grupos de risco estão protegidas e o vírus já circula com uma disseminação que não é exponencial", disse.

Papel da vacinação

Por outro lado, as pessoas vacinadas ao contactarem com o vírus vão atualizar a sua imunidade, que vai ficar "muito mais completa, contra várias proteínas virais e não só contra uma".

Pedro Simas lembrou que 43% da população portuguesa está vacinada com, pelo menos, uma dose da vacina que "é suficiente para conferir a imunidade celular, protetora para a doença severa e para a morte".

Se somar-se a estes 43% os cerca de 15%, fazendo "as contas por baixo", das pessoas imunizadas naturalmente, porque contraíram a covid-19, Portugal está quase com "58% de imunidade populacional".

Além disso, apesar de não ser tão eficaz como a proteger contra a doença severa e a morte, a vacina também "é bastante eficiente" a proteger contra a disseminação da infeção".

"Num cenário destes, o vírus tem mais dificuldade a disseminar-se" aliado ao facto de se estar no verão, disse, lembrando que, em 2020, apenas 2 a 3% da população estava imunizada no verão e neste momento é 58%.

"As infeções nunca vão desaparecer"

O investigador explicou que "as infeções nunca vão desaparecer", exemplificando que um adulto contrai em média entre duas a três infeções respiratórias virais por ano, o que significa que em Portugal todos os anos há cerca de 20 a 30 milhões de infeções respiratórias, sendo que os coronavírus contribuem com 10 a 15% do total destas infeções.

"São os vírus a circular naturalmente que mantêm a imunidade de grupo". Se isso não acontecesse teria que se "estar sempre a vacinar" porque o vírus é endémico no mundo.

Explicou ainda que as variantes dos coronavírus, como é o caso da Delta, "são selecionadas para se disseminarem melhor, não é para provocarem mais doença nem para invadirem a resposta imunitária ou para quebrarem esta imunidade protetora".

Lisboa e outros concelhos deviam avançar no desconfinamento

Perante esta situação, Pedro Simas defendeu que Lisboa devia avançar no desconfinamento, tal como o resto do país.

"Tem valores um bocadinho mais altos, mas é a capital", tem mais habitantes que vivem "em grande densidade populacional" e, como tal, vai ter sempre "mais infeção", mas desde que essa infeção não se reflita em internamento e mortes não se pode "parar o país", defendeu.

Mas, advertiu, a população tem de continuar a cumprir as orientações da Direção-Geral da Saúde.

Em declarações recentes à Lusa, o presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública apelou à população para ter "algumas cautelas" em celebrações familiares e noutros contextos, lembrando que a vacina contra a covid-19 não é "100% eficaz" e que a "pandemia ainda não acabou".

"A pandemia ainda não acabou, temos ainda uma incidência em crescendo, com particular destaque na região de Lisboa e Vale do Tejo, que não podemos ignorar", advertiu Ricardo Mexia.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros