Coronavírus

Covid-19. Marcelo e Santos Silva reagem às críticas de Merkel a Portugal

Presidente da República considera que era difícil coordenar melhor e que a questão pandémica é um problema europeu.

Marcelo Rebelo de Sousa desvalorizou as críticas à presença de adeptos ingleses no final da Liga de Campeões e Augusto Santos Silva não compreende posição dos Estados-Membros da União Europeia, que agora querem propor novos critérios.

O Presidente da República considera que cada país decidiu unilateralmente, quer a entrada, quer a saída de cidadãos de outros países e as formas de restrição de acordo com a evolução da pandemia.

"Teria sido possível coordenar melhor? Era difícil. Porque o tempo era difícil. Idealmente cheguei a pensar, no início, que fosse possível haver decisões comuns sobre entradas, saídas em todos os Estados da União Europeia, mas isso era supor que a pandemia tinha o mesmo processo em todos ao mesmo tempo. Isso não acontecia. Isso significa decisões diferentes, de governos diferentes", defende o Presidente da República.

A Liga dos Campeões, disputada no Porto entre o Manchester City e o Chelsea com presença de público, segundo a chanceler alemã, podia ter sido evitada. Relativamente à abertura ao turismo inglês, quando já era conhecido o elevado número de casos da variante Delta no Reino Unido foi, a seu ver, incoerente.

Augusto Santos Silva admite não compreender as criticas de Angela Merkel e reforça que se limitou a aplicar as diretivas em vigor, que passam por apresentar teste negativo.

Angela Merkel tem a Alemanha sob fortes medidas restritivas e é um dos países europeus que mantém controlos fronteiriços.

A procura de uma posição comum para controlar as novas variantes do vírus já está prevista na agenda da cimeira de Chefes de Estado e de Governo da União Europeia.

Veja também: