Coronavírus

Decisão alemã de interditar viagens a Portugal prevista no "travão de emergência"

Canva

A União Europeia garante que esta medida está salvaguardada na decisão sobre turismo no âmbito da covid-19.

Saiba mais...

A Comissão Europeia disse, esta segunda-feira, que a interdição a viagens não essenciais para Portugal, adotada pela Alemanha, se integra no chamado "travão de emergência" previsto na decisão do Conselho da União Europeia (UE) sobre turismo no âmbito da covid-19.

"Fomos informados pelas autoridades alemãs da decisão de considerar Portugal como uma área de variante de vírus, o que vem no contexto do travão de emergência que está previsto na recomendação do Conselho", disse o porta-voz do executivo comunitário para a Justiça na conferência de imprensa diária do executivo comunitário.

Este "travão de emergência" permite aos Estados-membros o endurecimento de medidas para travar a progressão do vírus SARS-CoV-2.

"Nesta fase, é importante que a recomendação do Conselho continue a ser a bússola orientadora para todos os Estados-membros neste contexto", salientou.

As autoridades sanitárias da Alemanha colocaram Portugal na lista vermelha, uma decisão que vigorará a partir desta terça-feira e que obrigará todos os viajantes provenientes do território português a uma quarentena de 14 dias.

Na sua origem estará o aumento da taxa de incidência de covid-19 em Portugal, que, segundo os dados mais recentes, é de 138,7 casos por 100.000 habitantes em Portugal continental e 137,5 na totalidade do território.

A pandemia de covid-19 provocou mais de 3,9 milhões de vítimas em todo o mundo, resultantes de perto de 180 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Veja mais:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia