Coronavírus

Covid-19. Marta Temido não afasta agravamento das medidas sanitárias

Nas próximas duas semanas, Portugal poderá registar 4.000 casos diários de covid-19.

Saiba mais...

Com o aumento de casos covid-19 em território nacional, o número de infetados pode vir a duplicar em duas semanas, isto é, pode chegar aos 4.000. Segundo Marta Temido, o cenário desenhado pelo Governo, para os próximos 15 dias, será "garantido se nada se inverte".

Com a vacinação, o impacto sobre o Serviço Nacional de Saúde não será o mesmo, mas mesmo assim, é preciso travar os números. O agravamento das medidas sanitárias podem ser tidas em conta.

Para já, está afastamento o confinamento, uma vez que para impôr tal medida é necessário estabelecer o estado de emergência.

"Nós não temos neste momento quadro legal que permita aplicar um confinamento. Isso implicaria um estado de emergência, que nós nestw momento não dispomos.", acrescenta a ministra da Saúde numa entrevista à TVI.

O primeiro-ministro admitiu esta terça-feira que o país está a atravessar uma fase difícil da pandemia. Acrescenta que Portugal está a enfrentar a quarta vaga.

O adiamento das férias dos profissionais de saúde, que trabalham nas regiões mais preocupantes, continua a ser uma possibilidade.

Para combater este agravamento, a aposta continua a ser na testagem e na vacinação, que vai passar a incluir os menores de 18 anos, a partir de finais de agosto.

"Aquilo que nós estimamos é seguirmos este plano que temos e com as quantidades de vacinas a continuarem a chegarem-nos conseguirmos abrir na última semana de agosto a vacinação para os menos de 18", adiantou Marta Temido, em entrevista à TVI.

Em Portugal continental, a Comissão Técnica de Vacinação está a apreciar como é que o plano se vai adaptar aos mais novos.

No domingo, o secretário regional da Saúde e Proteção Civil da Madeira, Pedro Ramos, disse estar prevista a administração aos "estudantes a partir dos 12 anos " no verão, no arquipélago, de acordo com a recomendação da Agência Europeia do Medicamento.

"Para o próximo ano letivo, o corpo docente e não docente e os alunos estarão todos vacinados", o que vai permitir o regresso às aulas "em segurança", sublinhou.

Veja também:

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro