Coronavírus

Regresso às aulas. Pais e professores satisfeitos com as normas para o novo ano letivo

Fenprof defende uma redução do número de alunos por turma.

Saiba mais...

Os representantes das escolas e dos pais mostram-se satisfeitos com as recomendações divulgadas pela Direção-Geral de Saúde (DGS) para o novo ano letivo. Do lado do professores, a Fenprof defende a redução do número de alunos por turma.

As novas regras têm poucas diferenças em relação ao que foi aplicado no ano anterior. A interrupção do isolamento profilático nos contactos de baixo risco é uma das principais mudanças e está a ser vista como uma medida positiva, tanto pelos diretores das escolas como pelos pais.

A Fenprof só não concorda com as turmas grandes, afirmando que dificulta o distanciamento social nas aulas. Pede, por isso, que sejam as escolas a definir o número de alunos por sala. Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, diz que o ideal seria um máximo de 20 alunos por turma.

► Veja mais:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros