Coronavírus

Perito diz que testes rápidos “são praticamente iguais” aos PCR quando a carga viral é alta

Defende, por isso, a sua utilidade para detetar pessoas infetadas em fase de transmissão.

Saiba mais...

Henrique Barros, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, defendeu esta quinta-feira na reunião do Infarmed a utilidade dos testes rápidos antigénio para detetar pessoas infetadas com covid-19 em fase de transmissão do vírus e para evitar isolamentos desnecessários.

“Se olharmos para a quantidade de vírus presente naquela pessoa, ou seja, na probabilidade daquela pessoa infetar outra, eles [testes antigénio] funcionam muito bem. Quando as cargas virais são muito altas estes testes são praticamente iguais ao que se espera da performance de um teste PCR”, afirmou.

Especialistas e políticos estiveram reunidos esta quinta-feira no Infarmed, em Lisboa, para analisar a evolução da pandemia, numa altura em que Portugal está próximo de atingir a meta de 85% da população vacinada contra a covid-19.

Veja também: