Eleições no Brasil

Nas ruas, em restaurantes e à porta dos hotéis, juízes brasileiros foram insultados em Nova Iorque

Nas ruas, em restaurantes e à porta dos hotéis, juízes brasileiros foram insultados em Nova Iorque

Juízes do Supremo Tribunal Federal apelidaram os manifestantes de antidemocráticos.

Juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil insultados e assediados pelas ruas de Nova Iorque, esta segunda-feira, apelidaram estes manifestantes de antidemocráticos.

"Eu acho esses protestos antidemocráticos, não civilizados e não contribuem para o clima que queremos para o nosso país, e no próprio mundo", disse, à imprensa brasileira em Nova Iorque, o juiz Ricardo Lewandowski.

"A liberdade de manifestação é totalmente livre, o que não vale é agressão, a tentativa de perturbação de um evento que se realiza com normalidade", afirmou, na mesma ocasião, o juiz Gilmar Mendes.

Além de Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes e o ex-presidente brasileiros Michel Temer foram ofendidos por 'bolsonaristas' ao longo do dia.

Em Nova Iorque para participarem num conferência, estas personalidades foram vítimas de insultos e assédios por parte de manifestantes brasileiros, que se recusam a aceitar a derrota de Bolsonaro, um pouco em Nova Iorque, em vários lugares, como à porta dos seus hotéis, enquanto passeavam pelas ruas da cidade, ou mesmo em restaurantes, como mostram vídeos partilhados nas redes sociais.

Supremo repudia ataques

O Supremo Tribunal Federal já emitiu uma nota na qual "repudia os ataques sofridos por ministros da Corte, em Nova Iorque.

"A democracia, fundada no pluralismo de ideias e opiniões, a legitimar o dissenso, mostra-se absolutamente incompatível com atos de intolerância e violência, inclusive moral, contra qualquer cidadão", acrescentou.

Logo depois do resultado eleitoral de 30 de outubro, camionistas encenaram centenas de bloqueios de estradas por todo o país nos três dias após as eleições, mas levantaram os protestos após Bolsonaro ter apelado aos seus apoiantes para que não cortassem a livre circulação dos cidadãos.

Protestos

Em 2 de novembro, um feriado público, milhares de pessoas manifestaram-se fora dos quartéis militares nas principais capitais do Brasil para pedir um golpe de Estado contra os resultados eleitorais.

Embora a intensidade dos protestos tenha diminuído significativamente desde então, alguns pequenos grupos ainda insistem em manifestar-se em frente a quartéis espalhados pelo país apelando aos militares que façam um golpe de Estado.

Últimas Notícias
Mais Vistos