Eleições nos EUA

Eleições nos EUA. Público critica debate entre os candidatos a vice-Presidente

Justin Sullivan

Vários espectadores norte-americanos consideram que o debate não serviu para informar.

Vários espectadores norte-americanos, que seguiram o debate dos dois candidatos a vice-presidente, disseram que o encontro não foi um verdadeiro debate por não ter servido para informar.

Para muitos ficou claro que o candidato republicano e atual vice-Presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, e a candidata democrata Kamala Harris pouco debateram, mas utilizaram o encontro como uma plataforma de apresentação de uma lista de tópicos e opiniões.

Uma mosca que pousou nos cabelos brancos de Mike Pence dominou a parte final do debate, para quem assistiu virtualmente. O humor e a sátira foram usados para fazer metáforas com a mosca, e a rede social Twitter viu nascer uma nova tendência, "#PenceFly" e a criação de vários novos perfis para o inseto.

Debate "parece uma sessão de terapia"

Numa reunião virtual de espectadores do debate, que decorreu em Salt Lake City, Utah, a conclusão foi que Pence e Harris mantiveram uma discussão "interessante e mais civilizada" do que o primeiro debate presidencial do ano, entre o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o candidato democrata à Casa Branca Joe Biden, na semana passada.

Pela forma como os candidatos à vice-presidência apresentaram algumas conquistas das carreiras profissionais, em vez de responder objetivamente a perguntas, a participante René escreveu que o debate "parece uma sessão de terapia".

Um participante, de nome Ethan, escreveu: "Concordo. Estes debates são mais para entretenimento do que para informação. Muitos de nós já sabem em quem vão votar".

Uma outra interveniente, identificada como Jessica, acrescentou: "Não foi um debate, mas mais como se cada lado estivesse a tentar aproveitar o tempo no ar para passar anúncios eleitorais gratuitos".

Entre várias palavras encontradas para classificar o debate, a audiência escolheu "teatralidade" e "arrogante", entre outras, muitas vezes associadas a Kamala Harris, que passou muitos momentos a rir quando não concordava com os argumentos de Mike Pence.

As opiniões escritas pelos participantes sublinharam a "demasiada arrogância" de Kamala Harris, que concluíram ser "melhor do que a incompetência de Pence".

Pandemia, economia, política externa e o próprios candidatos a Presidente em discussão

Vários assuntos estiveram em discussão no debate moderado pela jornalista da USA Today Susan Page, como a pandemia da covid-19, a economia, política externa e os próprios candidatos a Presidente nas eleições de 03 de novembro, Trump e Biden.

O público reparou nas hesitações ou na forma como Mike Pence evitou as perguntas da moderadora.

Na visão dos norte-americanos, o republicano utilizou a mesma maneira de intervir como no debate de candidatos à vice-presidência em 2016, contra Tim Kaine. Pence utilizou grande parte do tempo da resposta para voltar a um assunto anterior e deixou apenas 10 ou 15 segundos para se pronunciar sobre a nova questão.

"Não estás em debate com a Susan"

Em relação à moderadora Susan Page, houve várias queixas, mas de destacar foi a quantidade de vezes que Mike Pence utilizou o nome próprio da jornalista, dando lugar a algumas interpretações de machismo.

Os comentários pediram mais interação e comunicação direta dos candidatos com o público, principalmente indignados com Mike Pence por se referir constantemente à moderadora.

"Porque é que ele continua a falar para a Susan", questionou um participante, acrescentando, alguns parágrafos abaixo: "Não estás em debate com a Susan".

Para Elias, que também participou na reunião virtual, usar o nome próprio da moderadora "faz parecer que ele [Pence] só está a falar para vencer e não está a tentar convencer o público americano".

O olhar de Kamala Harris foi aquele que se dirigiu mais para as câmaras e para as televisões durante os 90 minutos de debate.

Veja também: