Presidenciais

Ventura diz que Marcelo representa "a candidatura do Governo socialista"

MANUEL DE ALMEIDA

O líder do Chega critica o atual chefe de Estado por ter alimentado um "tabu desnecessário".

O candidato presidencial e líder do Chega, André Ventura, considerou esta segunda-feira que Marcelo Rebelo de Sousa protagoniza a "candidatura do governo socialista" às eleições de janeiro e que o atual chefe de Estado alimentou um "tabu desnecessário".

"A candidatura de Marcelo é a candidatura do Governo socialista a estas eleições, sem tirar nem pôr. Incêndios, orçamento, pandemia e crise, sempre esteve lá Marcelo ao lado de António Costa", criticou Ventura, em comunicado.

O presidente do Chega considerou que a recandidatura a Belém do atual chefe de Estado já era esperada, tendo sido "um tabu desnecessário, alimentado durante meses, com o único objetivo de confundir os portugueses".

"Marcelo diz representar a candidatura do 'orgulho português' e da social-democracia mas esta é, na verdade, a candidatura socialista a estas eleições, a candidatura de António Costa", prosseguiu.

André Ventura disse que será "firme e convicta oposição" à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa na corrida presidencial, que classificou como a "candidatura socialista que faltava apresentar".

Marcelo Rebelo de Sousa anunciou hoje que se vai recandidatar ao cargo de Presidente da República nas eleições de 24 de janeiro de 2021.

O chefe de Estado justificou que cumpre "um dever de consciência" ao recandidatar-se a Presidente da República e afirmou que não iria "sair a meio de uma caminhada exigente e penosa" na atual conjuntura de pandemia.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão