Presidenciais

Marisa Matias diz que Presidente tem de garantir que "nenhuma parte do país fica para trás"

Candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda às presidenciais está na Madeira, em campanha.  

A candidata Marisa Matias sublinhou esta quarta-feira a importância do poder local na capacidade de responder aos problemas da pandemia de covid-19.

Marisa Matias deslocou-se esta quarta-feira à Madeira em campanha eleitoral para as eleições presidenciais de 24 de janeiro, e reuniu-se com o presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Gouveia, eleito pela Coligação "Confiança" composta pelo PS, BE, PDR e Nós, Cidadãos, e com o autarca de Santa Cruz, eleito pelo JPP, tendo de seguida partido para a Região Autónoma dos Açores.

Depois de se reunir com o autarca do Funchal, a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda defendeu a necessidade de rever a lei para que o poder local não perca autonomia.

Marisa Matias disse ainda que o Presidente da República tem o papel de garantir que "nenhuma parte do país fica para trás", função que considerou, contudo, não ter sido plenamente cumprida.

Para a candidata, o papel do Presidente da República é também ser "um elemento fundamental que permita contribuir para soluções, sejam elas soluções de governação no sentido mais amplo na relação com as instituições, sejam elas soluções para garantir que não há nenhum território, que não há nenhuma parte do país que fica para trás".

"Neste momento, para além de acreditar que essa função não está tão visível, nem foi tão cumprida como devia ter sido, criou-se ainda um problema adicional ao qual pouca atenção se tem dado que é esta necessidade de garantir que a descentralização ocorre, que é real e que os poderes, todos eles, podem responder aos problemas da crise pandémica", observou.