Presidenciais

Presidenciais. Governo admite problemas para formar mesas de voto em 15 concelhos

RUI MINDERICO/LUSA

Mas garante que todas irão funcionar no domingo.

O Governo admitiu esta sexta-feira, a dois dias das presidenciais, que ainda há dificuldades a formar mesas de voto em 15 concelhos, efeito da pandemia de covid-19, mas garantiu que todas irão funcionar no domingo.

Em declarações à TSF, o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís, confirmou as dificuldades na formação das mesas de voto em 15 municípios, que não identificou, seja devido a testes positivos ou seja devido ao confinamento profilático.

O Ministério da Administração Interna está a trabalhar para tentar resolver o problema, recorrendo à "bolsa de eleitores", e Antero Luís afirmou que no domingo "não haverá mesas de voto que não abram por falta" de pessoas.

Na terça-feira, a Lusa noticiou que várias câmaras, como a de Lisboa, tiveram dificuldades em formar as mesas de voto para as presidenciais de domingo, devido ao receio da pandemia de covid-19.

Responsáveis de partidos que geralmente acompanham esta operação disseram à Lusa que uma das dificuldades se prende com o receio da pandemia de covid-19, pelo potencial risco de exposição durante horas - das 07:00 até cerca das 20:00 ou 21:00, quando é encerrado o processo de contagem de votos, conforme a dimensão das mesas.

Esse fator levou à desistência de pessoas que já tinham sido indicadas, seja por pertencerem a grupos de risco de covid-19 seja por terem mais de 65 anos, acrescentaram.

Houve pedidos de "mais de 100 pessoas" para não estarem nas mesas

Nos últimos dois dias, várias câmaras municipais, de norte a sul, anunciaram que iriam fazer testes covid-19 aos membros das mesas.

Só em Mafra, segundo disse esta sexta-feira à TSF o presidente da câmara, Helder Silva, houve pedidos de "mais de 100 pessoas" para não estarem nas mesas, seja por terem testado positivo ao novo coronavírus ou por estarem em confinamento profilático ou ainda por receio da covid-19.

O problema com a falta de pessoas, que já existiu noutras eleições no passado, foi agravado nas presidenciais de domingo pelo facto de terem sido desdobradas as mesas de voto devido à situação de epidemia que o país vive, sendo, por isso, necessário mais membros.

A multiplicação do número de mesas de voto é uma forma de evitar e controlar grandes concentrações de pessoas e, assim, tentar reduzir o risco de contágio.

Nas presidenciais de domingo, haverá cerca de 12 mil mesas de voto onde estarão, nos cálculos da administração eleitoral, cerca de 65 mil pessoas.

A 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para domingo e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

A campanha eleitoral termina esta sexta-feira. Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros