Eutanásia

Eutanásia. Constitucional não dá razão a Marcelo na dúvida sobre "sofrimento intolerável"

TIAGO PETINGA

Presidente do Tribunal Constitucional considera que sofrimento é determinável de acordo com as regras próprias da profissão médica.

O Tribunal Constitucional (TC) não deu razão a uma das dúvidas colocadas pelo Presidente na lei da eutanásia, relativamente ao conceito de "sofrimento intolerável", concordando quanto à imprecisão da "lesão definitiva de gravidade extrema".

O presidente do TC, João Caupers, recordou as duas dúvidas levantadas por Marcelo Rebelo de Sousa quanto ao "caráter excessivamente indeterminado" do conceito de "sofrimento intolerável" e de "lesão definitiva de gravidade extrema de acordo com o consenso científico" para a pessoa pedir a morte medicamente assistida.

No caso do "sofrimento intolerável", os juízes admitiram que, "sendo embora indeterminado, é determinável de acordo com as regras próprias da profissão médica".

"Pelo que não pode considerar-se excessivamente indeterminado e, nessa medida, incompatível com qualquer norma constitucional", disse, numa explicação aos jornalistas, depois de ter sido anunciado o acórdão do TC que chumba a lei.

Já quanto à segunda dúvida, a "imprecisão" no conceito de "lesão definitiva de gravidade extrema de acordo com o consenso científico", os juízes admitem, no acórdão, que "não permite delimitar, com o indispensável rigor, as situações de vida em que pode ser aplicado".

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros