Guerra Rússia-Ucrânia

Joe Biden diz que aliados da NATO não serão "intimidados" por Putin

Joe Biden, Presidente dos EUA
Joe Biden, Presidente dos EUA
Chip Somodevilla

O Presidente norte-americano disse que a Rússia "não pode apoderar-se do território do seu vizinho" e "sair impune".

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou esta sexta-feira que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão "intimidar" pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá "cada centímetro" do seu território.

"A América e seus aliados não serão intimidados por Putin e pelas suas palavras e ameaças irresponsáveis" e estão "totalmente preparados, juntamente com os aliados da NATO, para defender cada centímetro do território da NATO", afirmou durante um discurso na Casa Branca, numa referência à anexação por Moscovo de quatro províncias do leste ucraniano.

Loading...

"As ações de Putin são um sinal de que está com problemas", prosseguiu, para reiterar que nem os Estados Unidos nem o mundo vão reconhecer os referendos de anexação que decorreram recentemente no leste da Ucrânia.

Biden disse que a Rússia "não pode apoderar-se do território do seu vizinho" e "sair impune". Assim, assegurou que Washington vai prosseguir a ajuda militar à Ucrânia para se defender da agressão russa.

"Os Estados Unidos e os aliados da NATO estão preparados para defender cada centímetro do seu território", reafirmou. "Putin não deve interpretar mal estas palavras: cada centímetro", precisou.

Numa referência ao gasoduto Nord Stream, Biden referiu-se a um "ato deliberado de sabotagem" e assegurou, em resposta às acusações de Moscovo sobre um alegado envolvimento de Washington no incidente, que a Rússia "está a difundir mentiras".

No entanto, admitiu que ainda "não se sabe" qual a origem da fuga de gás dos gasodutos submarinos e que está a colaborar com os aliados para um total esclarecimento, com o objetivo de "reforçar a proteção destas estruturas cruciais".

"Não vamos escutar o que Putin diz porque sabemos que não é verdade", frisou. Moscovo insistiu na necessidade de efetuar uma investigação sobre as circunstâncias dos "ataques sem precedentes" aos gasodutos russos Nord Stream 1 e Nord Stream 2, e insinuou que os Estados Unidos beneficiam com este incidente.