Guerra Rússia-Ucrânia

"Terror russo vai continuar": ucranianos devem abastecer-se com água potável e roupas quentes

"Terror russo vai continuar": ucranianos devem abastecer-se com água potável e roupas quentes
Francisco Seco/AP

O primeiro-ministro da Ucrânia alerta que os sistemas de abastecimento de água e aquecimento podem ser atacados pela Rússia.

O primeiro-ministro da Ucrânia, Denis Shmigal, alerta que as Forças Armadas russas podem atacar as instalações de abastecimento de água e aquecimento, além das infraestruturas elétricas.

"É óbvio que o terror russo vai continuar", disse Shmigal, que antecipou que os cortes de abastecimento "são prováveis".

O governante pediu à população para "estar preparada" e se abastecer com água potável e roupas quentes.

O Exército russo intensificou a sua ofensiva na Ucrânia nas últimas semanas, atacando as principais instalações elétricas do país, provocando interrupções no fornecimento, ora programadas, ora por falhas na infraestrutura.

Com este aviso, a Ucrânia alerta para a possibilidade de uma grande parte da população ter de enfrentar um inverno rigoroso em condições adversas, sem abastecimento de água, eletricidade ou aquecimento.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas - mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.306 civis mortos e 9.602 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Últimas Notícias
Mais Vistos