Guerra Rússia-Ucrânia

Ataques russos a infraestruturas levam autoridades de Kiev a planear retirada total da população

Ataques russos a infraestruturas levam autoridades de Kiev a planear retirada total da população
GLEB GARANICH
Cerca de 3 milhões de habitantes permanecem na capital da Ucrânia

As autoridades da capital ucraniana começaram a planear uma retirada total de população, estimada em cerca de três milhões de habitantes, caso os bombardeamentos russos de infraestruturas continuem e causem um apagão total, assegura o The New York Times, este domingo.

As autoridades da cidade estão a lutar para manter uma rede elétrica já gravemente danificada por mísseis russos, afirma o jornal, referindo que a situação já é terrível, com 40% das infraestruturas de energia da Ucrânia danificadas ou destruídas.

Segundo o jornal, funcionários municipais estão a instalar mil abrigos aquecidos, que podem funcionar como "bunkers" enquanto engenheiros tentam consertar as infraestruturas bombardeadas pelas tropas russas.

Para tentar evitar que a rede falhe completamente, a companhia nacional de energia da Ucrânia afirmou no sábado que ia continuar a impor apagões contínuos em sete regiões do país.

"Se a Rússia continuar com esses ataques, podemos perder todo o sistema elétrico"

Os danos causados até agora pelos ataques russos causaram "novo sofrimento aos civis da Ucrânia e forçaram as autoridades a considerar a possibilidade de que mais danos os impediriam de fornecer serviços básicos", lê-se no jornal.

"Entendemos que, se a Rússia continuar com esses ataques, podemos perder todo o sistema elétrico", explicou Roman Tkachuk, diretor de segurança do Governo municipal de Kiev, ao jornal norte-americano.

Loading...

O responsável acrescentou que as autoridades da capital foram informadas de que, provavelmente, receberão um aviso de pelo menos 12 horas, caso a rede esteja prestes a falhar.

Se esse momento chegar, disse Tkachuk, "vamos começar a informar as pessoas e pedir que deixem" a cidade.

Por enquanto, a situação é "administrável" e não há sinais de que um grande número de civis esteja a sair da capital, mas isso pode mudar rapidamente se os serviços que dependem da energia que chega à cidade forem interrompidos, disse o funcionário.

"Se não houver eletricidade, não haverá água ou esgotos", disse. "É por isso que atualmente o Governo e o município estão a tomar todas as medidas possíveis para proteger o sistema de fornecimento de energia", acrescentou.

O Exército russo passou semanas a bombardear infraestruturas críticas em toda a Ucrânia que causaram cortes de água, eletricidade e gás, o que preocupa o Governo de Kiev, antes da iminente chegada do inverno.

Loading...
Últimas Notícias