Jogos Olímpicos

Guiné-Conacri desiste dos Jogos Olímpicos devido à pandemia de covid-19

Issei Kato

A Guiné-Conacri renunciou a participar nos Jogos Olímpicos de Tóquio2020, prestes a arrancar no Japão, para resguardar a saúde dos seus atletas face à pandemia de covid-19, revelou o governo do país africano.

"O Governo da República da Guiné, para preservar a saúde dos atletas guineenses, decidiu com pesar cancelar a participação da Guiné na 32.ª Olimpíada programada para Tóquio", assinalou em comunicado o ministério do Desporto da Guiné-Conacri.

Há vários dias que a partida da comitiva da Guiné-Conacri estava a ser adiada, ainda que alguns atletas já se encontrem no Japão, tendo sido anunciado que a delegação partiria hoje para Tóquio, algo que não vai acontecer.

A equipa olímpica da Guiné-Conacri era composta pela atleta Aissata Conte, os nadadores Mamadou Bah e Mariana Touré, o judoca Mamadou Samba Bah e a lutadora livre Fatoumata Camara, com a última a ter assumido nos últimos dias a renúncia à participação em Tóquio2020 devido à falta de pagamento dos prémios que tem a receber, quer pela qualificação para os Jogos, quer noutros eventos precedentes.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.119.920 mortos em todo o mundo, entre mais de 191,3 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Diretor dos Jogos Olímpicos admite adiar evento mas OMS defende realização

A dois dias do arranque dos Jogos Olímpicos, em Tóquio, o diretor executivo da prova admite adiar a competição.

A cidade que acolhe o evento registou nos últimos dias uma medida diária de mais de mil novos contágios e, na aldeia olímpica, já foram detetadas cerca de 70 infeções.

Apesar do balanço, a Organização Mundial de Saúde acredita que os Jogos Olímpicos poderão ser um exemplo de boas praticas e defende a realização da competição, como uma oportunidade para mostrar ao mundo como pode ser travada uma pandemia.

A SIC EM TÓQUIO

Especial Jogos Olímpicos