Jogos Olímpicos

Nadadora Ana Catarina Monteiro faz história nos Jogos Olímpicos

VALDRIN XHEMAJ

Um marco inédito para a natação portuguesa em Tóquio.

A nadadora portuguesa Ana Catarina Monteiro avançou esta terça-feira para as meias-finais dos 200 metros mariposa dos Jogos Olímpicos e fez história, ao tornar-se a primeira mulher portuguesa a atingir esta fase numa prova de natação em Jogos Olímpicos.

A portuguesa, de 27 anos, conseguiu o 14.º melhor tempo da qualificação (2.11,45) na terceira série, em que ficou no quinto lugar, na estreia em Jogos Olímpicos.

O melhor tempo da qualificação pertenceu à chinesa Yufei Zhang (2.07,50), na ausência da húngara Katinka Hosszu, uma das 'estrelas' da natação em Tóquio2020 e que não alinhou como previsto, com as duas meias-finais agendadas para quarta-feira pelas 10:57 (02:57 de Lisboa) e 11:04 (03:04) e a final na quinta-feira.

Ana Catarina Monteiro "feliz" com "resultado histórico"

"Só posso estar feliz, fiz um resultado histórico para a natação portuguesa. O tempo não é o que tenho trabalhado, é um que costumo nadar em ritmo de treino. Não apostei tudo no dia de hoje, sabia que era acessível chegar à meia-final. Vamos ver como as coisas correm. O objetivo está cumprido, na estreia em Jogos Olímpicos", resumiu a nadadora, pouco depois de assegurar que é a primeira semifinalista da natação portuguesa em Jogos.

A passagem à próxima fase até estava garantida, dada a ausência da 'estrela' húngara Katinka Hosszu, mas a portuguesa admitiu que não esteve longe do seu tempo, e a três segundos do recorde nacional que estabeleceu em 2018, só por estar a resguardar-se, mas também por não ter entrado "no ritmo de prova".

"Estou a treinar bem, tenho boas sensações, mas nem sempre as coisas correm assim. (...) O meu objetivo [para as meias-finais] é aproximar-me do meu tempo. Tive covid-19 antes dos Europeus, que eram o primeiro pico de forma. Guardei algumas coisas hoje por saber que estava controlado, e vou dar tudo, não posso fazer mais do que isso, o trabalho está todo feito", explicou.

JOSÉ COELHO

Para já, o balanço que faz da estreia é positivo, com um feito histórico e o facto de continuar em prova, mas leva também "experiências mesmo especiais" à margem das provas no Centro Aquático de Tóquio.

"Ainda não acredito que sou atleta olímpica. Está a ser uma experiência incrível", assumiu.

A nadadora de 27 anos destaca "a ausência" de público como a principal diferença para o que esperava, dada a situação pandémica, e se "o ambiente na piscina é idêntico aos Mundiais", é o que se passa fora da água que deixa marca.

"A vivência na Aldeia Olímpica é única, e é de onde se retiram experiências mesmo especiais", garantiu.

A SIC EM TÓQUIO

CONSULTE AQUI O MEDALHEIRO OLÍMPICO