Jogos Olímpicos

Tóquio 2020. Pichardo na final, Évora e Pereira ficam pelas qualificações

JOSÉ COELHO

Pedro Pichardo foi o único português a qualificar-se para a final do triplo salto.

Pedro Pablo Pichardo foi esta terça-feira o único português a qualificar-se para a final do triplo salto dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, na competição que marcou a despedida de Nelson Évora, campeão em Pequim 2008, e a estreia de Tiago Pereira.

Pichardo, de 28 anos, assegurou a presença na final, marcada para quinta-feira, às 11:00 locais (03:00 em Lisboa), com 17,71 metros, à segunda tentativa, enquanto Évora, de 37 anos, e Pereira, de 27, ficaram pela primeira fase, com 15,39 e 16,71, respetivamente, como melhores saltos.

Avançavam para a final os atletas que conseguissem, pelo menos, 17,05 metros ou os 12 melhores posicionados.

Pichardo foi um dos cinco apurados diretamente para a final, com saltos iguais ou acima de 17,05 metros, ao conseguir, na segunda tentativa 17,71, que lhe valeram a liderança até final.

O turco Necati Er foi segundo (17,13), seguido do chinês Yaming Zhu (17,11), do cubano Cristian Napoles (17,08) e do argelino Yasser Mohamed Triki (17,05), enquanto Hugues Fabrice Zango, do Burkina Faso, que este ano fixou em 18,07 o recorde do mundo em pista coberta, foi o 12.º e último repescado, com 16,83.

Numa prova sem o norte-americano bicampeão olímpico e quatro vezes campeão do mundo Christian Taylor, que sofreu uma rotura do tendão de Aquiles em maio, o seu compatriota Will Claye, prata em Londres2012 e no Rio2016, qualificou-se para a final no oitavo lugar, com 16,91.

Nesta qualificação, Nelson Évora, campeão em Pequim2008, despediu-se dos Jogos Olímpicos, após quatro presenças, com o 27.º lugar, com 15,39 e dois nulos, o primeiro dos quais provocando uma lesão na virilha, e o estreante Tiago Pereira terminou no 16.º posto, com 16,71.

O saltador do Sporting iniciou o concurso com 16,62 metros, aumentou para 16,71 no segundo, que viria a ser o seu melhor, terminando com 15,79.

Portugal nos Jogos Olímpicos. Quem continua e quem está fora