Orçamento do Estado

Costa: “Tudo faremos para aqueles que quiseram brincar com o fogo não queimem o país”

MIGUEL A. LOPES

O primeiro-ministro deixou várias críticas ao PSD e BE.

A versão final do Orçamento do Estado para 2021 foi esta quinta-feira aprovada na Assembleia da República, em votação final global, numa votação em que foi ainda aprovada a anulação da transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o Novo Banco.

Na sequência desta votação, o primeiro-ministro agradeceu aos partidos que viabilizaram o Orçamento do Estado e deixou uma mensagem ao Bloco de Esquerda e ao PSD: diz que fará de “tudo para que os que quiseram brincar com o fogo não queimem o país”, lamentando a aprovação de uma medida que considera ameaçar a credibilidade nacional.

António Costa deixou ainda a garantia de que o Governo cumprirá a lei e respeitará o contrato com o Novo Banco.

"Não vou estar aqui a discutir as tecnicalidades jurídicas e só há uma coisa que digo: Contrato assinado é contrato que tem de ser honrado, lei que existe é lei que tem de ser respeitada, e a legalidade será seguramente assegurada num país que se honra de ser um Estado de Direito", disse.

António Costa disse a seguir que Portugal "não é um país em que a Constituição, as leis e os contratos são rasgados ao sabor das conveniências políticas".

"Somos um país que se honra de respeitar a democracia constitucional, onde a legalidade é cumprida e os contratos são respeitados. É assim que iremos fazer", sublinhou.

Costa diz que Rio procurou popularidade efémera

Sobre Rui Rio, o primeiro-ministro acusa ainda o líder dos sociais-democratas de deitar pela janela a credibilidade em troca da popularidade efémera. António Costa lamenta que os partidos desertem perante as dificuldades.