Orçamento do Estado

CEO do Novo Banco classifica de "percalço" o congelamento da injeção de capital

Carlos Carvalho

Carlos Carvalho

Repórter de Imagem

Francisco Carvalho

Francisco Carvalho

Editor de Imagem

António Ramalho sublinha que a instituição bancária é a mais escrutinada do país e talvez da Europa.

Em Braga, onde participou numa conferência sobre os desafios que as empresas enfrentam, o líder do Novo Banco disse que "o percalço que aconteceu no parlamento é um percalço que naturalmente terá que ser analisado com profundidade, o que faremos".

António Ramalho recordou ainda que "o que o parlamento decidiu foi, de alguma forma, o congelamento da transferência devida ao Novo Banco, se for devida. Isso só é determinado nas contas no final do ano, após um conjunto de escrutínios que pretendem ser feitos".

O gestor considera que "o Novo Banco é o banco mais escrutinado de Portugal e, julgo eu, o mais escrutinado da Europa".

Em comunicado, o Novo Banco destaca as garantias dadas por António Costa à presidente do Banco Central Europeu e sublinha a boa posição de liquidez da instituição bancária.

A proposta do Bloco de Esquerda aprovada no parlamento esta 5ª feira teve voto favorável do PSD. Há muito que Rui Rio critica a posição do Governo defende que o Estado não deve injetar mais dinheiro enquanto não houver uma auditoria pública.

O veto parlamentar à injeção contratualizada pode ser inconstitucional. Marcelo Rebelo de Sousa recusa comentar para já matérias específicas do Orçamento do Estado de 2021.

O Presidente da República pode pedir ao Tribunal Constitucional a fiscalização preventiva da lei do OE, nos oito dias seguintes à recepção do documento final.