Orçamento do Estado

PAN abstém-se na generalidade do OE 2022

PAULO NOVAIS

Orçamento do Estado tem votação na generalidade marcada para quarta-feira, mas não tem, por enquanto, aprovação garantida.

O PAN anunciou esta segunda-feira que vai abster-se na votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2022.

"O PAN, partindo de uma posição responsável e de diálogo, vai abster-se na generalidade", adiantou Inês Sousa Real.

O anúncio foi feito pela líder do partido Pessoas-Animais-Natureza, Inês de Sousa Real, em Lisboa, que acrescentou que "continua tudo em aberto".

O Orçamento do Estado tem votação na generalidade marcada para quarta-feira, mas não tem, por enquanto, aprovação garantida.

Sentido de voto dos partidos

Esta segunda-feira, a deputada não inscrita Cristina Rodrigues anunciou que se vai abster na votação na generalidade. A deputada Joacine Katar Moreira disse também que se vai abster.

Já o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, anuncia às 12:00 as conclusões da reunião do Comité Central.

O Bloco de Esquerda vai votar contra, se nada mudar até quarta-feira. O partido reuniu este domingo a Mesa Nacional. No final do encontro, Catarina Martins admitiu, no entanto, que está disponível para negociar até ao último momento, mas defende que essa possibilidade depende do Governo.

Marcelo reconhece "esforço que está a ser feito" nas negociações

O Presidente da República disse este domingo que continua a acreditar na viabilização do Orçamento do Estado para 2022.

Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que a alternativa é a dissolução da Assembleia da República.

"No momento em que o Orçamento não passasse, passava-se imediatamente ao processo de preparação de dissolução".

O chefe de Estado reconheceu que a dissolução iria trazer "grandes custos" para o país: "Por isso, vejo com apreço o esforço que está a ser feito e que vai ser feito até ao último minuto".

"Do que me recordo dos últimos 6 anos, é talvez o ano que há mais alterações, fruto de um processo de negociação tão cedo, relativamente à proposta inicial do Governo. Algumas (alterações) são profundas."

RODRIGO ANTUNES

Veja também:

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias