Presidência da UE

João Leão pressiona Comissão Europeia para aprovar bazuca em junho

A reunião dos ministros das Finanças europeus decorre em Lisboa.

O ministro das Finanças, João Leão, espera que o plano de recuperação português seja um dos primeiros a ser aprovado e volta a pressionar a Comissão Europeia para se despachar a avaliar o documento. Do primeiro dia de reunião dos ministros das Finanças, que acontece em Lisboa, sai ainda um consenso de que é preciso manter as regras do défice e da dívida suspensa mais um ano.

O reencontro em Lisboa é um reflexo de uma União Europeia que começa a levantar as restrições e que olha com mais otimismo para a recuperação económica. João Leão fala mesmo na possibilidade de a economia portuguesa crescer 5% este ano – em vez dos 4% previstos.

Com os olhos postos na bazuca europeia, o ministro português gostava de ver os primeiros planos de recuperação a serem aprovados pelos ministros das Finanças já em junto – antes do final da Presidência portuguesa. É um objetivo que pode ser difícil de cumprir, a não ser que a Comissão acelere a avaliação.

No Centro Cultural de Belém, João Leão conduziu o encontro. Uma reunião que serviu para trocar ideias, alinhar medidas, dar balanço à retoma e pôr a economia europeia num lugar ao sol. Mas, para além da ambição, há também avisos de que a retoma pode não chegar para todos.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros