Vacinar Portugal

Vacinação contra a covid-19. Gouveia e Melo quer sistema de senhas para evitar filas

O vice-almirante quer dar aos utentes a possibilidade de escolher o dia e a hora precisa da vacinação.

A task force quer um sistema de senhas para evitar filas nos centros de vacinação. Ao jornal Público, o vice-almirante Gouveia e Melo diz que espera que este mecanismo esteja a funcionar no inicio de Agosto. Até Setembro devem chegar a Portugal 8,4 milhões doses de vacinas – ainda assim, um número inferior ao contratado.

A data estipulada para alcançar os 70% da população com pelo menos uma dose da vacina e perto de 60% com as duas mantém-se para dia 8 de agosto. É o que garante o coordenador da task force ao jornal Publico. O vice-almirante Gouveia e Melo avança também que quer instituir um sistema de senhas para evitar as filas nos centros de vacinação.

A ideia é que qualquer pessoa possa escolher não só o local onde quer ser vacinado, mas também a data e a hora precisa da vacinação. A senha será emitida no telemóvel ou no computador através do site de agendamento da vacina.

Outra das ideias de Gouveia e Melo é reduzir o período para a vacinação dos que estiveram infetados: passar de seis para três meses. A proposta já seguiu para a Direção Geral de Saúde.

Na primeira e na segunda semana de Julho, Portugal ultrapassou a barreira de um milhão de inoculações em sete dias, mas a semana passada o ritmo abrandou por causa da diminuição das entregas.

Os atrasos e incumprimentos dos laboratórios farmacêuticos têm obrigado a task force a fazer alterações do programa. Das 34 milhões de doses que Portugal encomendou até ao final do ano, cerca de 9 milhões e meio não deverão chegar a Portugal.

Veja mais:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia