Vacinar Portugal

Covid-19. Autoagendamento da vacinação para maiores de 18 anos retomado

Yves Herman

O autoagendamento para os jovens de 16 e 17 anos terminou na sexta-feira, o que permitiu reativar o agendamento para os maiores de 18 anos.

O autoagendamento da vacinação da covid-19 para os utentes com 18 ou mais anos voltou este sábado a ficar disponível, após ter sido suspenso pela 'task force' para agendar a vacinação dos jovens com 16 e 17 anos.

O autoagendamento exclusivo para vacinação contra a covid-19 dos jovens de 16 e 17 anos, para vagas disponíveis no fim de semana de 14 e 15 de agosto, arrancou na terça-feira, uma semana depois de ter sido aberta a vacinação para a faixa etária dos 18 ou mais anos, que foi, entretanto, suspensa.

O autoagendamento para os jovens de 16 e 17 anos terminou na sexta-feira, o que permitiu reativar o agendamento para os maiores de 18 anos.

Até quinta-feira, 70 mil jovens com 16 e 17 anos já tinham vacina agendada

Até às 18:00 de quinta-feira, 70 mil jovens com 16 e 17 anos de "um universo de 200 mil" já tinham feito o autoagendamento para a vacinação, disse na sexta-feira o coordenador da 'task force' da vacinação, o vice-almirante Gouveia e Melo.

A modalidade do autoagendamento permite que as pessoas selecionem o local e a data em que pretendem ser vacinadas, recebendo depois uma mensagem SMS com a confirmação do dia, da hora e do centro de vacinação. A confirmação do agendamento implica que seja enviada resposta ao SMS.

Portugal atingiu na sexta-feira, antes da data prevista, a meta de ter 70% da população vacinada com pelo menos uma dose de vacina contra a covid-19 segundo o Ministério da Saúde em comunicado.

Em Portugal continental, já foram administradas cerca de 12,1 milhões de vacinas que permitiram vacinar com, pelo menos, uma dose mais de 6,9 milhões de pessoas, das quais à volta de 6,2 milhões já têm o esquema vacinal completo, adianta.

Veja também:

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros