Os números da Covid-19

Portugal regista mais 8 mortes por covid-19. Rt continua a subir

Canva

O último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Portugal contabiliza esta quarta-feira mais 8 mortes e 684 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 16.931 mortes e 828.857 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando esta quarta-feira ativos 25. 457 casos, mais 16 em relação a ontem.

O boletim da DGS revela que estão internados 447 doentes, mais 12 do que na terça-feira.

Nos cuidados intensivos estão 116 doentes, menos 2 que ontem.

Os dados indicam ainda que mais 660 doentes foram dados como recuperados, fazendo subir para 786.469 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 18.404contactos, mais 391 relativamente ao dia anterior.

RT CONTINUA A SUBIR


O Rt - índice de transmissibilidade - subiu hoje para 1,06 a nível nacional e para 1,05 no território continental.

No que respeita à incidência de novos casos de infeção com SARS-CoV-2, os dados revelam também uma subida para 72,4 casos por 100.000 habitantes e 69,0 casos por 100.000 habitantes se for considerado apenas o continente.

A incidência refere-se ao número de novos casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Os dados do Rt e da incidência são atualizados à segunda, quarta e sexta-feira.

Dados por região

Das oito mortes reportadas pelas autoridades de saúde, cinco foram registadas em Lisboa e Vale do Tejo e três na região Norte.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificadas 188 novas infeções, contabilizando-se até agora 314.000 casos e 7.179 mortos.

A região Norte tem 265 novas infeções por SARS-CoV-2 e desde o início da pandemia já contabilizou 332.900 casos de infeção e 5.326 mortes.

Na região Centro registaram-se mais 66 casos, acumulando-se 117.922 infeções e 3.004 mortos.

No Alentejo foram assinalados mais 43 casos, totalizando 29.465 infeções e 970 mortos desde o início da pandemia.

Na região do Algarve o boletim de hoje revela que foram registados 66 novos casos, acumulando-se 21.246 infeções e 355 mortos.

Na região Autónoma da Madeira foram registados 33 novos casos, contabilizando 8.904 infeções e 68 mortes devido à covid-19 desde março de 2020.

Portugal "não dispõe de dados para decisões seguras" sobre próxima fase do desconfinamento

Tiago Correia, professor de Saúde Internacional e investigador do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, da Universidade Nova de Lisboa, considera que Portugal não dispõe ainda dos dados necessários para tomar decisões seguras sobre a próxima fase do desconfinamento.

Esta quarta-feira, na SIC Notícias, alertou que os efeitos da Páscoa e da segunda fase do desconfinamento só vão ser conhecidos na próxima semana.

Desconfinamento. Conselho de Ministros de quinta-feira pode alterar regras

Com base nos dados apresentados esta terça-feira na reunião de especialistas no Infarmed, a ministra da Saúde não descarta a possibilidade de o Conselho de Ministros vir a alterar alguns dos termos da próxima fase do plano de desconfinamento do Governo.

"Vai seguir-se um conjunto de contactos e trabalhos no sentido de tomar as melhores decisões. A estratégia de desconfinamento foi aprovada no Conselho de Ministros e é gradual, deliberadamente progressiva e de ritmo lento, no sentido de ir adequando as medidas proporcionalmente àquilo que são as situações epidemiológicas", explicou Marta Temido.

Em declarações após a reunião no Infarmed, Marta Temido deixou claro que o Governo "vai apreciar todos os números" da evolução da infeção em Portugal.

"Estes dias que estamos a viver são decisivos para que se consolidem tendências num sentido ou noutro e para que possamos tomar decisões na quinta-feira para o período que vem a seguir ao dia 19, para o qual estava previsto um conjunto de decisões, mas a nossa estratégia gradual poderá ter paragens ou avanços", observou.

3.ª FASE DO DESCONFINAMENTO: O QUE ESTÁ PREVISTO REABRIR A 19 DE ABRIL

  • Ensino secundário e superior;
  • Cinemas, teatros, auditórios e salas de espetáculos;
  • Lojas de cidadão com atendimento presencial por marcação;
  • Todas as lojas e centros comerciais;
  • Restaurantes, cafés e pastelarias (máximo de 4 pessoas ou 6 em esplanadas) até às 22:00 ou 13:00 aos fins de semana e feriados;
  • Modalidades desportivas de médio risco;
  • Atividade física ao ar livre até seis pessoas;
  • Eventos exteriores com diminuição de lotação;
  • Casamentos e batizados com 25% de lotação.

A 11 de março, na apresentação do plano de desconfinamento, o primeiro-ministro afirmou que as medidas da reabertura serão revistas sempre que Portugal ultrapassar os "120 novos casos por dia por 100 mil habitantes a 14 dias" ou sempre que o Rt - o número médio de casos secundários que resultam de um caso infetado pelo vírus - ultrapasse 1 -, o que se verifica neste momento: o Rt situa-se atualmente em 1,04 a nível nacional e 1,03 no território continental.

No que respeita à incidência de novos casos de infeção, os dados mais recentes apontam para 70,0 casos por 100.000 habitantes e 67,4 casos por 100.000 habitantes, se for considerado apenas o continente.

A incidência refere-se ao número de novos casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Pandemia já matou pelo menos 2,96 milhões de pessoas no mundo

A pandemia do novo coronavírus matou até hoje pelo menos 2.961.387 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um levantamento realizado pela agência de notícias AFP a partir de fontes oficiais.

Mais de 137.407.740 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da epidemia.

Os números são baseados em relatórios diários das autoridades de saúde de cada país até às 10:00 TMG (11:00 em Lisboa) e excluem as revisões posteriores de agências estatísticas, como ocorre na Rússia, Espanha e Reino Unido.

Na terça-feira, 13.270 novas mortes e 780.837 novos casos foram registados em todo o mundo.

Os países que registaram o maior número de novas mortes em seus levantamentos mais recentes são o Brasil com 3.808 novas mortes, Índia (1.027) e Estados Unidos (917).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 563.446 mortes em 31.345.992 casos, de acordo com o levantamento realizado pela Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 358.425 mortes e 13.599.994 casos, o México com 210.294 mortes (2.286.133 casos), a Índia com 172.085 mortes (13.873.825 casos) e o Reino Unido com 127.123 mortes (4.375.814 casos).

Entre os países mais atingidos, a República Checa é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 263 mortes por 100.000 habitantes, seguida pela Hungria (248), Bósnia (228), Montenegro (221) e Bulgária (210).

Um homem realiza um teste à covid-19 em Nova Deli, Índia

Um homem realiza um teste à covid-19 em Nova Deli, Índia

Anushree Fadnavis

A Europa totalizou hoje, às 10:00 TMG (11:00 em Lisboa), 1.007.383 mortes em 46.913.820 casos, a América Latina e Caribe 841.056 mortes (26.506.711 casos), os Estados Unidos e Canadá 586.831 mortes (32.422.317 casos), a Ásia 288.780 mortes (20.066.518 casos), o Médio Oriente 119.946 mortes (7.084.897 casos), a África 116.384 mortes (4.372.889 casos) e a Oceania 1.007 mortes (40.589 casos).

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou substancialmente e as técnicas de rastreamento e despistagem melhoraram, levando a um aumento no número dos contágios declarados.

O número de casos diagnosticados, entretanto, reflete apenas uma fração do total real dos contágios, com uma proporção significativa dos casos menos graves ou assintomáticos ainda não detetados.

Esta avaliação foi realizada com base em dados recolhidos pelos escritórios da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

  • Investir agora na infância para poupar no futuro

    Desafios da Mente

    Assegurar o desenvolvimento saudável de todas as crianças é essencial para as sociedades que procuram alcançar o seu pleno potencial sanitário, social e económico. A prevenção da adversidade precoce deve ser uma preocupação diária e não apenas assunto no mês de abril, mês Internacional da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância. Os Governos, as famílias, as comunidades e as organizações devem ser envolvidas a fim de alcançar estes objetivos.