Os números da Covid-19

Portugal com mais 5 mortes e 3.641 casos de covid-19 em 24 horas

Hospital Curry Cabral, Lisboa

Armando Franca

Último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Portugal contabiliza esta quinta-feira mais 5 mortes e 3.641 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 17.187 mortes e 920.200 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando hoje ativos 48.476 casos, mais 1.368 em relação a ontem.

A maior parte das novas infeções reparte-se pela zona de Lisboa e Vale do Tejo (41,4 por cento) e Norte (36%). As cinco mortes das últimas 24 horas registaram-se nas regiões de Lisboa (quatro), e Algarve (uma).

O boletim da DGS revela que estão internados 774 doentes, mais 40 do que no dia anterior. É o número mais alto de pessoas internadas desde 19 de março passado, quando estavam 789 doentes com covid-19 em unidades hospitalares.

Nos cuidados intensivos estão 174 doentes, mais três em relação a quarta-feira.

Os dados indicam ainda que mais 2.268 doentes foram dados como recuperados, fazendo subir para 854.537 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 78.681 contactos, mais 999 relativamente ao dia anterior.

Dados por região

Com mais 1.509 contágios nas últimas 24 horas, a região de Lisboa e Vale do Tejo contabiliza agora 359.671 casos de infeção, seguida de perto pelo Norte, onde se registaram 1.309 novos casos, num total de 357.491, refere a DGS.

No Centro registaram-se 296 novos casos (125.563 no total), no Alentejo há mais 97 casos (32.077 no total), no Algarve 364 novas infeções (total de 28.569), na Madeira 26 novos casos (10.149) e nos Açores mais 40, para um total de 6.680.

Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais óbitos (7.325), seguindo-se o Norte (5.377), o Centro (3.034), o Alentejo (976), o Algarve (371), a Madeira (70) e os Açores (34).

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação disponibilizada no boletim da DGS.

Taxa de incidência e índice de transmissibilidade

A taxa de incidência nacional subiu de 315,6 para 336,3 casos de infeção por 100 000 habitantes. No continente, aumentou de 325,2 para 346,5 casos por 100 000 habitantes.

O R(t) nacional desceu de 1,16 para 1,14 e no continente de 1,16 para 1,15.

Os dados dos indíces R(t) e da incidência são atualizados à segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira.

Modalidade "Casa Aberta" suspensa temporariamente

A modalidade "Casa Aberta" - que permite aos utentes com mais de 40 anos serem vacinados sem marcação prévia - foi suspensa temporariamente devido à suspensão de um lote de vacinas da Johnson & Johnson (cuja farmacêutica se chama Jansen).

"Tendo em conta a suspensão de um lote de vacinas da marca Janssen, conforme divulgado por nota à imprensa do Infarmed de 14 de junho, e a consequente redução na disponibilidade de vacinas, foi decidido suspender, de imediato, modalidade “casa aberta”. Esta será retomada logo que possível", avança a task force em comunicado

Infarmed investiga lote de vacinas da Johnson & Johnson depois de episódios de desmaios

O Infarmed anunciou esta quarta-feira que está a investigar a qualidade de vacinas da Johnson & Johnson disponibilizadas no Centro de Vacinação Covid-19 de Mafra depois de utentes terem desmaiado após a toma da vacina produzidas pela farmacêutica da marca.

Num curto comunicado enviado para as redações, a autoridade nacional do medicamento explica que as medidas surgem "no seguimento dos casos de reações adversas (síncope), notificados com a vacina da Janssen, no centro de vacinação de Mafra".

Segundo aquela autoridade de saúde, "não foram reportados, até à presente data, suspeitas de defeito de qualidade deste lote noutros centros de vacinação em que o mesmo está a ser utilizado".

"O Infarmed decidiu dar início a um processo de investigação da qualidade das unidades remanescentes da vacina naquele local de vacinação, assim como, suspender este lote até as devidas averiguações estarem concluídas", acrescenta.

Pediatras divididos sobre vantagens de vacinar crianças contra a covid-19

As vantagens de vacinar crianças contra a covid-19 ainda estão por apurar, dividindo os especialistas entre a prudência e a confiança, que se unem na expectativa de uma recomendação das autoridades de saúde sobre a matéria.

Desempregados, doentes crónicos e dependentes das redes sociais entre os que mais resistem à vacina

Numa altura em que vários países europeus discutem e decidem sobre a possibilidade de tornar obrigatória a vacinação contra a covid-19, pelo menos para alguns grupos, a Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e do Trabalho divulga o perfil da população que habitualmente mais resiste à toma da vacina.

Entre fevereiro e março entrevistou cerca de 46.000 pessoas e concluiu que mais de um quarto dos europeus está hesitante. Desempregados, doentes crónicos, pessoas com menos escolaridade e dependentes das redes sociais são os que mais resistem à toma da vacina contra a covid-19.

O estudo identificou dois fatores que parecem ter grande impacto na decisão. Um deles é a confiança no Governo. A resistência é maior em países que registam baixos níveis de confiança em quem governa. O outro fator é o uso das redes sociais. As pessoas que as utilizam intensamente são ligeiramente mais hesitantes do que os outros.

No entanto, uma das conclusões claras do estudo é que quem teve algum contacto direto com a doença hesita menos na toma da vacina.

Mais de 4 milhões de mortos no mundo

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.044.816 mortos em todo o mundo, entre mais de 187,2 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Os países com o maior número de mortos são os Estados Unidos, o Brasil, Índia, México, Rússia e França.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Entretanto surgiram novas variantes, nomeadamente as identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global