Mundo

Mãe dá a vida para proteger filho de dois meses no tiroteio de El Paso

Massacre deste sábado deixou em choque a comunidade de El Paso, no Texas, junto à fronteira com o México

Andres Leighton

A história de uma das mais de 20 vítimas mortais do tiroteio deste sábado no Texas, já considerado o pior massacre nos últimos 70 anos nos EUA

A história de Jordan Anchondo foi contada pela irmã, Leta Jamrowski, na sala de espera de um dos hospitais onde o sobrinho, de apenas 2 meses está internado

A história de Jordan Anchondo foi contada pela irmã, Leta Jamrowski, na sala de espera de um dos hospitais onde o sobrinho, de apenas 2 meses está internado

John Locher

Jordan Anchondo estava com o mais novo de 3 filhos no popular centro comercial de El Paso, no Texas, junto à fronteira com o México.

Andre Anchondo de apenas 2 meses acompanhava a mãe que tinha acabado de deixar a filha de 5 anos nos treinos da claque local e seguiu para a Walmart de El Paso para comprar material escolar para os filhos. Nunca mais voltou

A história é contada por Leta Jamrowski, irmã da vítima mortal que aguarda na sala de espera do Centro hospitalar Universitário de El Paso por notícias do sobrinho, de apenas dois meses de idade, que está internado com vários ossos partidos.

"Perante as lesões no bebé, disseram-me que, provavelmente, a minha irmã estava a tentar proteger o filho quando foi baleada. Quando começou o tiroteio a minha irmã ter-se-á virado para proteger o bebé pelo que, ao ser baleada, terá caído sobre ele. Terá sido na queda que o bebé partiu alguns ossos. Ou seja, a minha irmã morreu para dar a vida ao filho, protegendo-o do disparo", confessou Leta Jamrowski à agência de notícias norte-americana Associated Press.

Mais uma história entre as mais de 20 que deviam acompanhar cada um dos mortos de mais este tiroteio nos EUA, este já considerado o pior massacre dos últimos 70 anos nos EUA.

O tiroteio de El Paso está a ser analisado pelas autoridades norte-americana como um crime de ódio, pelo que o atirador identificado como sendo Patrick Crusius, um caucasiano de 21 anos poderá enfrentar a pena de morte.

Armado com uma espingarda, o homem entrou a matar centro comercial em El Paso, disparando sobre uma multidão de cerca de 3.000 pessoas. Mais de 20 morreram e outras 26 ficaram feridas