Mundo

Mega explosão em Beirute foi registada em sismógrafos

Nas palavras de uma residente em Beirute, “foi como um terramoto”.

Duas fortes explosões na terça-feira junto ao porto de Beirute, capital do Líbano, num armazém de fogo-de-artifício fizeram pelo menos uma centena de mortos e quatro mil feridos, segundo o último balanço.

O impacto da “mega explosão” atingiu toda a cidade e arredores, destruindo edifícios e veículos num cenário semelhante à devastação de um bombardeamento em tempo de guerra.

A dimensão dos estragos é ainda difícil de calcular, mas rondará largos milhões de dólares, diz o autarca de Beirute, que apela à ajuda internacional, antecipando o agravamento da crise económica e da situação social no Líbano.

Há também notícia de médicos e enfermeiros entre as vítimas e a situação que se vive nos hospitais de Beirute antevê um possível colapso nos cuidados de saúde.

A explosão destrutiva deu-se após uma primeira explosão e incêndio, num armazém de material pirotécnico, que rapidamente alastrou a um depósito com quase 3 mil toneladas de nitrato de amónio, um fertilizante químico que pode ser usado também como componente de explosivos.

Veja também:

  • 2:37
  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro