Mundo

Mais de 100 migrantes subsaarianos saltam fronteira e conseguem chegar a Melilla

Europa Press News

Cinco elementos da Guarda Civil e um dos migrantes ficaram feridos durante a tentativa de travessia da fronteira.

As autoridades de Melilla revelaram que 119 homens africanos de um grupo de mais de 200 conseguiram entrar, esta segunda-feira, nesta cidade autónoma espanhola, depois de saltarem a cerca dupla que separa o enclave de Marrocos.

Segundo fonte da delegação local do Governo espanhol citada pelas agências internacionais, pelo menos cinco elementos da Guarda Civil (correspondente à GNR) e um dos migrantes foram feridos durante a tentativa de travessia na madrugada desta segunda-feira.

O responsável, que pediu para não ser identificado, disse que os restantes migrantes foram detidos pela polícia no lado marroquino da fronteira.

A fonte informou que os migrantes são todos homens de países da África Subsaariana e que aqueles que conseguiram entrar em Melilla estão a fazer testes de covid-19 no centro de acolhimento de migrantes e serão colocados em quarentena.

Melilla e a vizinha cidade também autónoma de Ceuta são locais que servem como trampolim para tentarem chegar à Europa por muitos africanos que fogem da pobreza ou da violência.

Milhares destes migrantes, incluindo centenas de crianças não acompanhadas, chegaram a Ceuta em meados de maio, no meio de uma disputa diplomática entre Espanha e Marrocos sobre o futuro do Saara Ocidental, uma ex-colónia espanhola anexada por Rabat nos anos 70 do século passado.

Veja mais:

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro