Mundo

Ceuta. Mais de 500 imigrantes regressaram voluntariamente a Marrocos

Jon Nazca

Os imigrantes decidiram regressar ao país de origem depois de terem dormido na rua e por não terem meios de subsistência.

Mais de 500 imigrantes marroquinos regressaram de forma voluntária ao seu país nos últimos dois dias depois de terem entrado ilegalmente em Ceuta no início da semana, indicaram este domingo fonte policiais.

Além dos imigrantes que são obrigados a regressar a Marrocos, dezenas de jovens que entraram ilegalmente apresentaram-se na fronteira e optaram por regressar de forma voluntária ao seu país, segundo avançaram à agência Efe fontes policiais.

Estes imigrantes optaram por regressar voluntariamente porque nos últimos dias em Ceuta têm dormido na rua e não têm meios de subsistência.

O número de "devoluções" de imigrantes que entraram irregularmente em Ceuta ascende já a 7.500 pessoas, segundo os dados fornecidos hoje pela Delegação do Governo.

O número aumentou em 500 pessoas durante as últimas 24 horas, devido à entrega de mais imigrantes a Marrocos, assim como pelos regressos voluntários de muitos mais.

Mais de 8.000 marroquinos conseguiram entrar em Ceuta nos primeiros dias da semana passada, entre os quais 800 menores, após o que Espanha e Marrocos chegaram a um acordo para o regresso dos migrantes.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros