Mundo

Jornalista detida após entrevistar pai de Mahsa Amini

Jornalista detida após entrevistar pai de Mahsa Amini
Lee Jin-man/AP

Mais de 50 jornalistas foram detidos desde a morte de Amini, mantendo-se a maioria presos.

As autoridades iranianas prenderam esta sexta-feira uma jornalista que entrevistou o pai de Mahsa Amini, jovem que morreu sob detenção policial e acusada de violar o código de vestuário islâmico, num caso que provocou protestos no país, segundo a ONG Hengaw.

De acordo com informações da ONG norueguesa Hengaw, a jornalista Nazila Marufian, da província do Curdistão tal como Amini, foi detida em sua casa e transferida para a prisão de Evin, na capital iraniana, Teerão.

O artigo com a entrevista ao pai de Amini, Amjad, foi publicado a 19 de outubro no website Mostaghel.

"Não tenho intenção de cometer suicídio e não sofro de nenhuma doença grave", disse o pai da jovem na altura, numa tentativa de esclarecer quaisquer dúvidas caso fosse encontrado morto mais tarde.

O site retirou posteriormente o texto, em que Amjad assegurava ainda que a sua filha não tinha problemas médicos e acusava as autoridades de mentir.

A morte de Amini provocou motins e protestos em todo o país desde 16 de setembro. A jovem tinha sido detida pela polícia por não colocar o véu islâmico corretamente e foi alegadamente torturada e espancada. Embora tenha sido levada para o hospital após ter entrado em coma, morreu dois dias depois.

A escala dos protestos, descritos como motins pelas autoridades iranianas, não tem precedentes no Irão desde a revolução islâmica de 1979. De acordo com a ONG, estão também presas em Evin duas outras jornalistas, Niloufar Hamedi e Elaheh Mohammadi, que ajudaram a divulgar o caso de Amini.

O Comité de Proteção dos Jornalistas indicou que desde que os protestos começaram 54 jornalistas foram detidos, mantendo-se a maioria presos.

O Centro de Defensores dos Direitos Humanos o Irão (CHRI) afirmou que os jornalistas "estão a ser detidos sem respeito pelos procedimentos legais internacionalmente reconhecidos e podem enfrentar anos de prisão, caso sejam condenados".

Os protestos continuam nas ruas de várias cidades pela sétima semana consecutiva, apesar do aumento de repressão das autoridades iranianas, julgamentos e condenações à morte.

Pelo menos dez mortos, incluindo crianças, em novos protestos

A Amnistia Internacional (AI) denunciou esta sexta-feira que pelo menos dez pessoas, incluindo crianças, morreram no sudeste do Irão depois das forças de segurança terem disparado contra um grupo de manifestantes na província de Sistão-Baluchistão.

"A AI está profundamente preocupada com o novo derrame de sangue após o corte da Internet e informa que mais forças de segurança foram enviadas de Zahedan para Kash", destacou esta organização não-governamental (ONG) numa publicação das redes sociais.

De acordo com imagens e relatos de testemunhas recebidos desde Cash, na província de Sistão-Baluchistão, desde as 14:00 (11:00 em Lisboa) as forças de segurança dispararam munições contra "manifestantes pacíficos", sublinhou a AI, que divulgou vídeos dos incidentes.

Zahedan, capital do Sistão-Baluchistão, é um dos epicentros dos protestos contra as autoridades iranianas.

Últimas Notícias
Mais Vistos