País

Três aldeias de Mação ainda estão na rota do fogo 

Três aldeias de Mação ainda estão na rota do fogo 

Temperaturas a rondar os 40ºC e vento forte podem prejudicar o combate aos incêndios em Mação e em Vila de Rei.

A Proteção Civil garantiu esta segunda-feira que os incêndios de Vila Real e Mação estão estabilizados e que os bombeiros já dominaram 90% das frentes ativas. No entanto, o vento e o calor previstos para esta tarde podem agravar o cenário.

O incêndio de Vila de Rei e Mação é o único que continua por controlar e tem mobilizado várias centenas de operacionais e de meios de combate.

Um civil ficou ferido com gravidade neste incêndio e está internado no hospital de São José, em Lisboa. Há ainda nove feridos ligeiros e mais de duas dezenas de pessoas foram assistidas no terreno pelas equipas do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

"O Estado falhou às populações. O país inteiro falhou. Nós falhámos"

O vice-presidente da Câmara de Vila de Rei, Paulo César, disse esta segunda-feira que este concelho "está farto" de enfrentar chamas ano após ano e garantiu que o "Estado voltou a falhar" na prevenção do incêndio deste fim de semana.

"O concelho está farto, como diz o nosso presidente da Câmara [Ricardo Aires] . Está farto destes sucessivos incêndios com origem criminosa e está farto de ver o Estado voltar a falhar às populações", referiu, em declarações à agência Lusa.

Paulo César agradeceu e reconheceu o trabalho dos bombeiros e de outros voluntários que combatem as chamas, mas não escondeu a revolta com a situação.

Encontrados artefactos explosivos

O autarca denunciou que foram encontrados artefactos explosivos que podem estar na origem das chamas e considerou suspeito que tenham deflagrado praticamente ao mesmo tempo diversas frentes de incêndio em Vila do Rei e Sertã.

As suspeitas de fogo posto já tinham sido levantadas pelo autarca da Sertã e pelo próprio ministro da Administração Interna, que salientou ser "uma estranheza" terem deflagrado cinco incêndios numa hora.